Sismac
  • 27 | 11 | 2019 - 10:47 Informe-se

    Pier: fantoche e capacho de Greca na Câmara de Vereadores

    Pier: fantoche e capacho de Greca na Câmara de Vereadores
    Pier Pietruziello age como fantoche e faz o trabalho sujo de Greca para aprovar retirada de direitos

    Pier Pietruziello ocupa o posto de líder do governo municipal na Câmara dos Vereadores. Mas quem já acompanhou uma votação sabe que a submissão de Pier às vontades de Greca vai muito além do que é exigido do posto. Desde que Greca tomou posse, Pier age como um fantoche disposto a fazer todo o serviço sujo necessário para que os ataques do prefeito sejam aprovados.

    Por causa dessa postura, Pier ganhou o apelido de fantochinho nos bastidores da Câmara Municipal. Fantoche é um boneco manipulado por uma pessoa para distrair outras – exatamente da forma com que atuam alguns ocupantes de cargos públicos. Eleitos pela população, eles esquecem a quem representam e acabam se tornando fantoches dos seus aliados políticos.

    Enquanto nos portais de notícias e nas redes sociais ele faz a pose de bom moço, na Câmara Pier faz discursos raivosos contra qualquer um que critique as ações do desprefeito, ofende e esbraveja com servidores e até mesmo com seus colegas vereadores quando as vontades do seu líder são questionadas. Toda vez que Greca tem vontade de aprovar novas maldades, Pier corre para aprovar o regime de urgência, sem qualquer pudor de passar por cima da legislação e das normas da Câmara Municipal.

    Teatro de fantoches

    O primeiro ato da marionete de Greca foi durante a aprovação do pacotaço em 2017, quando para atender à vontade do prefeito e impor maldades ao funcionalismo Pier aprovou sucessivos regimes de urgência. Isso sem contar a violenta repressão policial contra os servidores.

    Também não serão esquecidas as continuidades do pacotaço aprovadas no último dia 18, muito menos a forma com que Pier impôs um regime de urgência e conduziu os vereadores a votarem um projeto que eles sequer leram, para congelar por mais dois anos as carreiras, impor redução salarial aos servidores e atacar a organização sindical.

    Os casos em que o fantochinho usou o espaço de fala para atacar diretamente os servidores também foram muitos. Em abril deste ano, Pier atacou os servidores, querendo colocar no funcionalismo a culpa pelos problemas do município. A declaração de Pier aos professores foi a seguinte:“Vocês deviam estar em sala de aula, nem sei o que estão fazendo aqui. Porque se estivessem em sala de aula, se estivessem pedindo menos licença hoje não precisaríamos votar o PSS”, disse.

    Outra ocasião em que a marionete apareceu foi quando Greca atacou os profissionais de enfermagem em suas redes sociais, afirmando que uma enfermeira só poderia ficar doente “de tédio ou de tanto descansar”. Para quem não conhece a realidade da saúde pública, como é o caso de Greca e seu fantoche, fica muito fácil fazer essas suposições, pois eles ignoram a pressão e a sobrecarga vivenciadas no local de trabalho.

    Cordeirinho para Greca

    Mas, se o fantoche raivoso aparece quando se trata dos servidores, para Greca, Pier parece mais um cordeirinho.

    Quando os gastos excessivos do desprefeito Greca com refeições luxuosas foram denunciados na Câmara, o fantochinho apareceu rapidamente para defender aquilo que não tem justificativa.

    Agora, o fantochinho está fazendo o papel de defensor do desprefeito enquanto ele torra dinheiro público em asfalto. Durante a sessão do dia 25 de novembro, ele chamou de “nefastas” as críticas ao gasto excessivo com recapeamento de ruas. Parece que o vereador não percebe que nefasto mesmo é destruir saúde, educação e assistência social, serviços essenciais para a população!

    De galho em galho

    E quanto será que vale a “lealdade” de Pier? Aparentemente sua amizade pula de prefeito em prefeito. Na gestão anterior, Pier vivia no gabinete do então prefeito Fruet. Mas, foi só Rafael Greca se eleger para Pier trocar de amigo.

    Hoje, ele faz de tudo para que todos os projetos propostos por Greca sejam aprovados – de preferência, sem qualquer tipo de discussão.

    Com a marionete de Greca atuando na Câmara, a divisão entre os poderes executivo e legislativo fica esquecida. Em vez de cumprir seu papel de fiscalizar a gestão da Prefeitura, a maioria da Câmara funciona como massa de manobra para que Greca possa fazer com o dinheiro público de Curitiba o que lhe der vontade.

    Vaza, fantochinho!

    Mas, os servidores já mostraram que não caem nos contos da carochinha – muito menos acreditam no teatro de Pier. O resultado foi que o vereador não conseguiu sua eleição para deputado em 2018. E, no que depender do funcionalismo de Curitiba, nem sua cadeira de vereador vai ser mantida para o próximo mandato.

    Vaza, Greca, vaza Pier!

  • 27 | 11 | 2019 - 10:47 Informe-se

    Pier: fantoche e capacho de Greca na Câmara de Vereadores

    Pier: fantoche e capacho de Greca na Câmara de Vereadores
    Pier Pietruziello age como fantoche e faz o trabalho sujo de Greca para aprovar retirada de direitos

    Pier Pietruziello ocupa o posto de líder do governo municipal na Câmara dos Vereadores. Mas quem já acompanhou uma votação sabe que a submissão de Pier às vontades de Greca vai muito além do que é exigido do posto. Desde que Greca tomou posse, Pier age como um fantoche disposto a fazer todo o serviço sujo necessário para que os ataques do prefeito sejam aprovados.

    Por causa dessa postura, Pier ganhou o apelido de fantochinho nos bastidores da Câmara Municipal. Fantoche é um boneco manipulado por uma pessoa para distrair outras – exatamente da forma com que atuam alguns ocupantes de cargos públicos. Eleitos pela população, eles esquecem a quem representam e acabam se tornando fantoches dos seus aliados políticos.

    Enquanto nos portais de notícias e nas redes sociais ele faz a pose de bom moço, na Câmara Pier faz discursos raivosos contra qualquer um que critique as ações do desprefeito, ofende e esbraveja com servidores e até mesmo com seus colegas vereadores quando as vontades do seu líder são questionadas. Toda vez que Greca tem vontade de aprovar novas maldades, Pier corre para aprovar o regime de urgência, sem qualquer pudor de passar por cima da legislação e das normas da Câmara Municipal.

    Teatro de fantoches

    O primeiro ato da marionete de Greca foi durante a aprovação do pacotaço em 2017, quando para atender à vontade do prefeito e impor maldades ao funcionalismo Pier aprovou sucessivos regimes de urgência. Isso sem contar a violenta repressão policial contra os servidores.

    Também não serão esquecidas as continuidades do pacotaço aprovadas no último dia 18, muito menos a forma com que Pier impôs um regime de urgência e conduziu os vereadores a votarem um projeto que eles sequer leram, para congelar por mais dois anos as carreiras, impor redução salarial aos servidores e atacar a organização sindical.

    Os casos em que o fantochinho usou o espaço de fala para atacar diretamente os servidores também foram muitos. Em abril deste ano, Pier atacou os servidores, querendo colocar no funcionalismo a culpa pelos problemas do município. A declaração de Pier aos professores foi a seguinte:“Vocês deviam estar em sala de aula, nem sei o que estão fazendo aqui. Porque se estivessem em sala de aula, se estivessem pedindo menos licença hoje não precisaríamos votar o PSS”, disse.

    Outra ocasião em que a marionete apareceu foi quando Greca atacou os profissionais de enfermagem em suas redes sociais, afirmando que uma enfermeira só poderia ficar doente “de tédio ou de tanto descansar”. Para quem não conhece a realidade da saúde pública, como é o caso de Greca e seu fantoche, fica muito fácil fazer essas suposições, pois eles ignoram a pressão e a sobrecarga vivenciadas no local de trabalho.

    Cordeirinho para Greca

    Mas, se o fantoche raivoso aparece quando se trata dos servidores, para Greca, Pier parece mais um cordeirinho.

    Quando os gastos excessivos do desprefeito Greca com refeições luxuosas foram denunciados na Câmara, o fantochinho apareceu rapidamente para defender aquilo que não tem justificativa.

    Agora, o fantochinho está fazendo o papel de defensor do desprefeito enquanto ele torra dinheiro público em asfalto. Durante a sessão do dia 25 de novembro, ele chamou de “nefastas” as críticas ao gasto excessivo com recapeamento de ruas. Parece que o vereador não percebe que nefasto mesmo é destruir saúde, educação e assistência social, serviços essenciais para a população!

    De galho em galho

    E quanto será que vale a “lealdade” de Pier? Aparentemente sua amizade pula de prefeito em prefeito. Na gestão anterior, Pier vivia no gabinete do então prefeito Fruet. Mas, foi só Rafael Greca se eleger para Pier trocar de amigo.

    Hoje, ele faz de tudo para que todos os projetos propostos por Greca sejam aprovados – de preferência, sem qualquer tipo de discussão.

    Com a marionete de Greca atuando na Câmara, a divisão entre os poderes executivo e legislativo fica esquecida. Em vez de cumprir seu papel de fiscalizar a gestão da Prefeitura, a maioria da Câmara funciona como massa de manobra para que Greca possa fazer com o dinheiro público de Curitiba o que lhe der vontade.

    Vaza, fantochinho!

    Mas, os servidores já mostraram que não caem nos contos da carochinha – muito menos acreditam no teatro de Pier. O resultado foi que o vereador não conseguiu sua eleição para deputado em 2018. E, no que depender do funcionalismo de Curitiba, nem sua cadeira de vereador vai ser mantida para o próximo mandato.

    Vaza, Greca, vaza Pier!

Rua Nunes Machado, 1644, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS