Sismac
  • 06 | 06 | 2019 - 21:38 Informe-se

    Servidores municipais aderem à greve geral do dia 14 de junho

    Servidores municipais aderem à greve geral do dia 14 de junho
    Em assembleia conjunta servidores dão um grande passo para barrar a Reforma da Previdência

    No dia 14 de junho, os servidores municipais de Curitiba têm um compromisso com o qual não poderão faltar! Em assembleia conjunta realizada nesta quinta-feira (6), os trabalhadores decidiram aderir à greve geral que será realizada em todo o Brasil e parar o serviço público municipal.

    Em 2017, milhões de trabalhadores foram às ruas contra a Reforma da Previdência de Temer. Foram mais de 40 milhões que cruzaram os braços parando a produção e os serviços. Entre eles, o serviço municipal de Curitiba esteve firme. Nossa mobilização, com o conjunto da classe trabalhadora, pressionou os deputados e impediu que a Reforma alcançasse os votos necessários.

    É hora de repetir a dose: somos mais de 20 mil trabalhadores e não é de hoje que estamos insatisfeitos com as ofensivas do governo federal e municipal. A Reforma da Previdência é desumana e tem como objetivo acabar com a aposentadoria dos trabalhadores. O governo diz que quer combater privilégios, mas os fatos mostram que os mais ricos não serão afetados, já que as grandes fortunas seguem sem tributação. Além disso, a proposta mal toca na aposentadoria dos parlamentares e militares.


    Materiais importantes

    Nos próximos dias, realizaremos a entrega de vários materiais nos locais de trabalho para auxiliar na divulgação da greve geral. A conversa com a comunidade é essencial para promovermos uma greve geral que inclua o maior número de trabalhadores.

    Vamos intensificar nossa mobilização e convencer aquele amigo, familiar, e até mesmo os colegas de trabalho a pararem no dia 14!

    A economia que o governo propõe novamente acontecerá às custas dos mais pobres, que contribuirão por mais tempo, e receberão salários muito menores. Para os idosos e pessoas com deficiência, que recebem apenas um salário mínimo com o Benefício de Prestação Continuada (BPC), o valor será reduzido pela metade, deixando essas pessoas em maior situação de vulnerabilidade social.

    Além da luta nacional, nossa greve também é em defesa do serviço público!

    Nossa greve deve relembrar a luta dos trabalhadores do município que em 2017 resistiram contra o pacotaço de Greca, e defenderam com unhas e dentes o serviço público de qualidade. Foram precisos mais de 1500 policiais, mudanças em local de votação e muito esforço daqueles que retiram direitos dos trabalhadores.

    Por isso, nossa greve também deve ser pelo descongelamento e implementação imediata do nosso Plano de Carreira.
    Os governos têm olhado para os servidores e para o serviço público como meros gastos desnecessários. Dessa forma tem sucateado serviços de extrema importância para a população e que são direitos conquistados através de muita luta!

  • 06 | 06 | 2019 - 21:38 Informe-se

    Servidores municipais aderem à greve geral do dia 14 de junho

    Servidores municipais aderem à greve geral do dia 14 de junho
    Em assembleia conjunta servidores dão um grande passo para barrar a Reforma da Previdência

    No dia 14 de junho, os servidores municipais de Curitiba têm um compromisso com o qual não poderão faltar! Em assembleia conjunta realizada nesta quinta-feira (6), os trabalhadores decidiram aderir à greve geral que será realizada em todo o Brasil e parar o serviço público municipal.

    Em 2017, milhões de trabalhadores foram às ruas contra a Reforma da Previdência de Temer. Foram mais de 40 milhões que cruzaram os braços parando a produção e os serviços. Entre eles, o serviço municipal de Curitiba esteve firme. Nossa mobilização, com o conjunto da classe trabalhadora, pressionou os deputados e impediu que a Reforma alcançasse os votos necessários.

    É hora de repetir a dose: somos mais de 20 mil trabalhadores e não é de hoje que estamos insatisfeitos com as ofensivas do governo federal e municipal. A Reforma da Previdência é desumana e tem como objetivo acabar com a aposentadoria dos trabalhadores. O governo diz que quer combater privilégios, mas os fatos mostram que os mais ricos não serão afetados, já que as grandes fortunas seguem sem tributação. Além disso, a proposta mal toca na aposentadoria dos parlamentares e militares.


    Materiais importantes

    Nos próximos dias, realizaremos a entrega de vários materiais nos locais de trabalho para auxiliar na divulgação da greve geral. A conversa com a comunidade é essencial para promovermos uma greve geral que inclua o maior número de trabalhadores.

    Vamos intensificar nossa mobilização e convencer aquele amigo, familiar, e até mesmo os colegas de trabalho a pararem no dia 14!

    A economia que o governo propõe novamente acontecerá às custas dos mais pobres, que contribuirão por mais tempo, e receberão salários muito menores. Para os idosos e pessoas com deficiência, que recebem apenas um salário mínimo com o Benefício de Prestação Continuada (BPC), o valor será reduzido pela metade, deixando essas pessoas em maior situação de vulnerabilidade social.

    Além da luta nacional, nossa greve também é em defesa do serviço público!

    Nossa greve deve relembrar a luta dos trabalhadores do município que em 2017 resistiram contra o pacotaço de Greca, e defenderam com unhas e dentes o serviço público de qualidade. Foram precisos mais de 1500 policiais, mudanças em local de votação e muito esforço daqueles que retiram direitos dos trabalhadores.

    Por isso, nossa greve também deve ser pelo descongelamento e implementação imediata do nosso Plano de Carreira.
    Os governos têm olhado para os servidores e para o serviço público como meros gastos desnecessários. Dessa forma tem sucateado serviços de extrema importância para a população e que são direitos conquistados através de muita luta!

Rua Nunes Machado, 1644, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS