Sismac

Notícias | Informe-se!

Imprimir
  • Lutar pelo ICS para não perder nossa saúde!
    09 | 11 | 2017 - 10:25 Informe-se

    Lutar pelo ICS para não perder nossa saúde!

    Servidores devem reforçar luta para impedir aumento do desconto sem qualquer garantia de melhora na qualidade
    Ao invés de pagar a dívida de mais de 63 milhões com o Instituto Curitiba de Saúde (ICS), a Prefeitura quer aumentar o percentual dos descontos e jogar a conta dessa dívida nas costas das servidoras e servidores.

    Com o discurso de “reerguer o ICS”, querem subir a alíquota dos servidores de 3,14% para 4,29%. Ou seja, tentam impor um aumento de 36,6% no desconto sobre os nossos salários, que já estão corroídos sem o pagamento da data-base e com o congelamento do Plano de Carreira.

    Pela proposta da Prefeitura, a alíquota patronal teria um aumento menor: de 3,65% para 4,29%.

    Além de prejudicar os servidores, a tentativa de aprovar a mudança sem diálogo desrespeita as regras de transparência. Os dados financeiros usados para calcular o aumento da alíquota não foram repassados aos sindicatos e o Conselho Fiscal, responsável por fiscalizar as contas do Instituto, não se reuniu sequer uma vez neste ano.

    Não vamos pagar a conta dessa dívida causada pela má gestão da Prefeitura! Exigimos que a administração municipal cumpra suas responsabilidades e pague o que deve ao nosso Instituto! Vamos continuar firmes na luta por nenhum direito a menos!

    Aumento do desconto tenta responsabilizar servidor por má gestão da Prefeitura

    Os calotes da Prefeitura geraram uma dívida de mais de R$ 63 milhões com o ICS.Em junho do ano passado, a administração deixou de repassar a alíquota patronal de 3,65% sobre toda a folha de pagamento, descumprindo Lei 9.626/1999. Desde então, retirou da base de cálculo os servidores que se descredenciaram do ICS.

    Além disso, também deixou de ressarcir o Instituto pelos programas de saúde ocupacional e 13 procedimentos médicos que são de sua responsabilidade segundo a Lei 8.786/1995.

    A renovação do convênio com a Santa Casa de Misericórdia também pode custar caro ao ICS. Para a retomada do convênio, a irmandade exige o pagamento de R$ 6 milhões referentes a uma suposta dívida gerada em contratos de gestões anteriores. Segundo auditoria contratada pela Santa Casa, a dívida soma no total cerca de R$ 12 milhões.

    Nós, servidoras e servidores, sempre pagamos em dia nossas contribuições. Não vamos permitir que joguem a dívida causada pelos calotes da Prefeitura nas costas dos servidores municipais!

    Alerta continua em defesa do ICS!

    A pressão dos servidores no dia 11 de outubro conseguiu impedir que a Prefeitura aprovasse às pressas o aumento do desconto no Conselho de Administração do ICS. Com nosso movimento, arrancamos o compromisso de que a situação financeira do nosso Instituto será analisada antes no Conselho Fiscal.

    Mas não dá para abaixar a guarda agora! Temos que ficar atentos e mobilizados para impedir que aprovem o aumento às escondidas!

    Matéria publicada na edição de novembro do jornal Diário de Classe
Imprimir
  • 09 | 11 | 2017 - 10:25 Informe-se
    Lutar pelo ICS para não perder nossa saúde!

    Lutar pelo ICS para não perder nossa saúde!

    Servidores devem reforçar luta para impedir aumento do desconto sem qualquer garantia de melhora na qualidade
    Ao invés de pagar a dívida de mais de 63 milhões com o Instituto Curitiba de Saúde (ICS), a Prefeitura quer aumentar o percentual dos descontos e jogar a conta dessa dívida nas costas das servidoras e servidores.

    Com o discurso de “reerguer o ICS”, querem subir a alíquota dos servidores de 3,14% para 4,29%. Ou seja, tentam impor um aumento de 36,6% no desconto sobre os nossos salários, que já estão corroídos sem o pagamento da data-base e com o congelamento do Plano de Carreira.

    Pela proposta da Prefeitura, a alíquota patronal teria um aumento menor: de 3,65% para 4,29%.

    Além de prejudicar os servidores, a tentativa de aprovar a mudança sem diálogo desrespeita as regras de transparência. Os dados financeiros usados para calcular o aumento da alíquota não foram repassados aos sindicatos e o Conselho Fiscal, responsável por fiscalizar as contas do Instituto, não se reuniu sequer uma vez neste ano.

    Não vamos pagar a conta dessa dívida causada pela má gestão da Prefeitura! Exigimos que a administração municipal cumpra suas responsabilidades e pague o que deve ao nosso Instituto! Vamos continuar firmes na luta por nenhum direito a menos!

    Aumento do desconto tenta responsabilizar servidor por má gestão da Prefeitura

    Os calotes da Prefeitura geraram uma dívida de mais de R$ 63 milhões com o ICS.Em junho do ano passado, a administração deixou de repassar a alíquota patronal de 3,65% sobre toda a folha de pagamento, descumprindo Lei 9.626/1999. Desde então, retirou da base de cálculo os servidores que se descredenciaram do ICS.

    Além disso, também deixou de ressarcir o Instituto pelos programas de saúde ocupacional e 13 procedimentos médicos que são de sua responsabilidade segundo a Lei 8.786/1995.

    A renovação do convênio com a Santa Casa de Misericórdia também pode custar caro ao ICS. Para a retomada do convênio, a irmandade exige o pagamento de R$ 6 milhões referentes a uma suposta dívida gerada em contratos de gestões anteriores. Segundo auditoria contratada pela Santa Casa, a dívida soma no total cerca de R$ 12 milhões.

    Nós, servidoras e servidores, sempre pagamos em dia nossas contribuições. Não vamos permitir que joguem a dívida causada pelos calotes da Prefeitura nas costas dos servidores municipais!

    Alerta continua em defesa do ICS!

    A pressão dos servidores no dia 11 de outubro conseguiu impedir que a Prefeitura aprovasse às pressas o aumento do desconto no Conselho de Administração do ICS. Com nosso movimento, arrancamos o compromisso de que a situação financeira do nosso Instituto será analisada antes no Conselho Fiscal.

    Mas não dá para abaixar a guarda agora! Temos que ficar atentos e mobilizados para impedir que aprovem o aumento às escondidas!

    Matéria publicada na edição de novembro do jornal Diário de Classe

Rua Nunes Machado, 1577, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS