Sismac
  • 25 | 03 | 2021 - 15:43 Informe-se

    Relato de servidores da educação mostra realidade do trabalho remoto

    Relato de servidores da educação mostra realidade do trabalho remoto
    Trabalhadores defendem o formato remoto para salvar vidas, apesar dos desafios e da sobrecarga de trabalho

    Os trabalhadores da educação lutam para que as aulas presenciais retornem só com vacina. Essa é uma defesa de quem coloca a vida dos trabalhadores e dos estudantes e familiares em primeiro lugar e sabe os riscos que as atividades presenciais representam.

    Por outro lado, isso não significa que o último ano de trabalho remoto não tenha sido cansativo e desgastante para professores, auxiliares de serviços escolares, assistentes administrativos e assistentes pedagógicos. Afinal de contas, essas trabalhadoras e trabalhadores se mantiveram em atividade, tendo que se reinventar e aprender um novo modo de trabalho sem apoio da gestão. Cada trabalhador correu atrás para aprender e fazer acontecer este novo modelo de educação, trabalhando muitas vezes mais do que se estivessem nas escolas ou CMEIs. E ainda sem ter o contato direto com as crianças para acompanhar seu aprendizado.

    Conversamos com trabalhadores da educação para entender como tem sido suas rotinas e porque eles defendem a volta às aulas só com vacina.

    Sobrecarga de trabalho

    A mudança repentina do chão da escola e CMEIs para o ambiente virtual exigiu muita dedicação dos trabalhadores da educação para se adaptar a essa nova realidade. Com a nova forma de atuação, os servidores relatam o desgaste físico e emocional. “Passo o dia todo praticamente na frente do computador, além de ter que buscar atividades para as crianças realizarem em casa, com materiais alternativos”, relata uma professora da educação infantil.

    Para quem enfrentava já um processo de adoecimento ocasionado pela sobrecarga e falta de condições de trabalho antes da pandemia, a situação só se agravou, principalmente pela falta de cooperação por parte da Secretaria Municipal de Educação (SME) com os trabalhadores. “A maior dificuldade que percebi foi a pouca articulação da SME no diálogo com as pedagogas. Ações deliberadas de forma unilateral, sem debate com a base. Simplesmente cumpra-se. Fiquei muitas vezes com crise de ansiedade e bateu desespero de querer fazer algo mais e não ter condições para ir mais além do que estava posto”, relata uma pedagoga que trabalha com educação infantil integral.

    Os ataques que as trabalhadoras e trabalhadores da educação sofreram nos últimos tempos por parte de governantes e até de uma parcela da comunidade, de que elas estão em casa recebendo seus salários sem trabalhar está muito distante da realidade. A verdade é que a categoria foi afetada com o ambiente de trabalho invadindo o espaço doméstico.

    As mulheres relatam ter sentido um impacto ainda maior, com carga de trabalho muitas vezes triplicada, acumulando além do trabalho as tarefas domésticas e o cuidado com os filhos – atividades que geralmente ficam sob responsabilidades das mulheres.

    Trabalho remoto ainda é a melhor alternativa

    Mesmo com uma experiência de um ano letivo muito complicado e cansativo, as trabalhadoras e os trabalhadores têm muito clara a noção de que a volta às aulas só será segura quando a vacina chegar a esse grupo.

    A exposição nas atividades presenciais é grande porque são muitas pessoas que circulam, vai e vem de alunos e pais que vêm conversar com a equipe. E mesmo que reduza o fluxo de pessoas, ainda assim, não há garantia de que não haverá infecção”, avalia uma servidora.

    Além da grande circulação de pessoas nas escolas e CMEIs, o trabalho na educação, de modo geral, acarreta um contato mais próximo. É preciso considerar que crianças, especialmente da educação infantil e séries iniciais, possuem uma dependência das professoras e demais trabalhadoras nas suas atividades rotineiras. No berçário, não há como manter o distanciamento por causa do contato necessário no cuidado dos bebês. Além disso, as crianças menores ainda não têm maturidade para serem responsabilizadas pelo uso correto da máscara.

    Para além dos riscos envolvendo as escolas e CMEIs que não têm sequer condições estruturais para seguir os protocolos sanitários, o próprio deslocamento de alunos e trabalhadores gera preocupação. Os ônibus lotados têm sido uma triste marca de Curitiba na pandemia. Após auditorias, o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) apontou os ônibus como o segundo espaço que mais gera riscos de contaminação pela Covid-19 em Curitiba, atrás apenas dos hospitais.

    Cobrança pela vacina

    Diante dos riscos das atividades presenciais somada ao colapso do sistema de saúde, fica claro que não é hora nem de pensar em retomar as aulas presenciais. Manter o ensino remoto é também uma forma de solidariedade aos trabalhadores da linha de frente, pois essa é a forma dos trabalhadores da educação contribuírem para a redução da taxa de contágio.

    Problemas do trabalho remoto?

    Caso identifique alguma irregularidade ou cobrança indevida durante o trabalho remoto, salve e-mails recebidos e capturas de tela do celular e entre em contato com os sindicatos. Vamos analisar para realizarmos orientações e intervenções cabíveis.

    SISMMAC
    Telefone: (41) 3225-6729
    E-mail: sismmac@sismmac.org.br
    SISMUC:
    Telefone: (41) 3322-2475
    E-mail: sismuc@sismuc.org.br
    O retorno só será possível com a vacina e a agilidade nesse processo de vacinação é a defesa dos trabalhadores. “A minha primeira expectativa é que a vacina venha logo”, aponta uma auxiliar de serviços escolares.

    Só imunizados, os trabalhadores poderão fazer o que mais desejam: voltar para as escolas e CMEIs. “O que sinto mais falta é de estar com os alunos, poder ouvir e auxiliar, escutar as histórias que os alunos às vezes não contam coisas que nem contam nem para os pais. Todos nós trabalhadores da educação temos parte nessa integração para um bem comum que é do aluno. Isso é muito importante para mim, poder ver os alunos sorrindo e sendo amáveis com a gente”, complementa a auxiliar de serviços escolares.

    Para a professora de educação infantil, o que mais faz falta é “O contato com as pessoas, olho no olho. As mensagens não têm a magia do tom da conversa, da explicação, da cordialidade e do humanismo”.

    Por isso, os trabalhadores da educação seguem firmes na luta para que a as aulas presenciais estejam suspensas enquanto não houver vacina, para segurança dos profissionais e ainda da comunidade escolar e para que a educação seja prioridade no plano de imunização.



  • 25 | 03 | 2021 - 15:43 Informe-se

    Relato de servidores da educação mostra realidade do trabalho remoto

    Relato de servidores da educação mostra realidade do trabalho remoto
    Trabalhadores defendem o formato remoto para salvar vidas, apesar dos desafios e da sobrecarga de trabalho

    Os trabalhadores da educação lutam para que as aulas presenciais retornem só com vacina. Essa é uma defesa de quem coloca a vida dos trabalhadores e dos estudantes e familiares em primeiro lugar e sabe os riscos que as atividades presenciais representam.

    Por outro lado, isso não significa que o último ano de trabalho remoto não tenha sido cansativo e desgastante para professores, auxiliares de serviços escolares, assistentes administrativos e assistentes pedagógicos. Afinal de contas, essas trabalhadoras e trabalhadores se mantiveram em atividade, tendo que se reinventar e aprender um novo modo de trabalho sem apoio da gestão. Cada trabalhador correu atrás para aprender e fazer acontecer este novo modelo de educação, trabalhando muitas vezes mais do que se estivessem nas escolas ou CMEIs. E ainda sem ter o contato direto com as crianças para acompanhar seu aprendizado.

    Conversamos com trabalhadores da educação para entender como tem sido suas rotinas e porque eles defendem a volta às aulas só com vacina.

    Sobrecarga de trabalho

    A mudança repentina do chão da escola e CMEIs para o ambiente virtual exigiu muita dedicação dos trabalhadores da educação para se adaptar a essa nova realidade. Com a nova forma de atuação, os servidores relatam o desgaste físico e emocional. “Passo o dia todo praticamente na frente do computador, além de ter que buscar atividades para as crianças realizarem em casa, com materiais alternativos”, relata uma professora da educação infantil.

    Para quem enfrentava já um processo de adoecimento ocasionado pela sobrecarga e falta de condições de trabalho antes da pandemia, a situação só se agravou, principalmente pela falta de cooperação por parte da Secretaria Municipal de Educação (SME) com os trabalhadores. “A maior dificuldade que percebi foi a pouca articulação da SME no diálogo com as pedagogas. Ações deliberadas de forma unilateral, sem debate com a base. Simplesmente cumpra-se. Fiquei muitas vezes com crise de ansiedade e bateu desespero de querer fazer algo mais e não ter condições para ir mais além do que estava posto”, relata uma pedagoga que trabalha com educação infantil integral.

    Os ataques que as trabalhadoras e trabalhadores da educação sofreram nos últimos tempos por parte de governantes e até de uma parcela da comunidade, de que elas estão em casa recebendo seus salários sem trabalhar está muito distante da realidade. A verdade é que a categoria foi afetada com o ambiente de trabalho invadindo o espaço doméstico.

    As mulheres relatam ter sentido um impacto ainda maior, com carga de trabalho muitas vezes triplicada, acumulando além do trabalho as tarefas domésticas e o cuidado com os filhos – atividades que geralmente ficam sob responsabilidades das mulheres.

    Trabalho remoto ainda é a melhor alternativa

    Mesmo com uma experiência de um ano letivo muito complicado e cansativo, as trabalhadoras e os trabalhadores têm muito clara a noção de que a volta às aulas só será segura quando a vacina chegar a esse grupo.

    A exposição nas atividades presenciais é grande porque são muitas pessoas que circulam, vai e vem de alunos e pais que vêm conversar com a equipe. E mesmo que reduza o fluxo de pessoas, ainda assim, não há garantia de que não haverá infecção”, avalia uma servidora.

    Além da grande circulação de pessoas nas escolas e CMEIs, o trabalho na educação, de modo geral, acarreta um contato mais próximo. É preciso considerar que crianças, especialmente da educação infantil e séries iniciais, possuem uma dependência das professoras e demais trabalhadoras nas suas atividades rotineiras. No berçário, não há como manter o distanciamento por causa do contato necessário no cuidado dos bebês. Além disso, as crianças menores ainda não têm maturidade para serem responsabilizadas pelo uso correto da máscara.

    Para além dos riscos envolvendo as escolas e CMEIs que não têm sequer condições estruturais para seguir os protocolos sanitários, o próprio deslocamento de alunos e trabalhadores gera preocupação. Os ônibus lotados têm sido uma triste marca de Curitiba na pandemia. Após auditorias, o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) apontou os ônibus como o segundo espaço que mais gera riscos de contaminação pela Covid-19 em Curitiba, atrás apenas dos hospitais.

    Cobrança pela vacina

    Diante dos riscos das atividades presenciais somada ao colapso do sistema de saúde, fica claro que não é hora nem de pensar em retomar as aulas presenciais. Manter o ensino remoto é também uma forma de solidariedade aos trabalhadores da linha de frente, pois essa é a forma dos trabalhadores da educação contribuírem para a redução da taxa de contágio.

    Problemas do trabalho remoto?

    Caso identifique alguma irregularidade ou cobrança indevida durante o trabalho remoto, salve e-mails recebidos e capturas de tela do celular e entre em contato com os sindicatos. Vamos analisar para realizarmos orientações e intervenções cabíveis.

    SISMMAC
    Telefone: (41) 3225-6729
    E-mail: sismmac@sismmac.org.br
    SISMUC:
    Telefone: (41) 3322-2475
    E-mail: sismuc@sismuc.org.br
    O retorno só será possível com a vacina e a agilidade nesse processo de vacinação é a defesa dos trabalhadores. “A minha primeira expectativa é que a vacina venha logo”, aponta uma auxiliar de serviços escolares.

    Só imunizados, os trabalhadores poderão fazer o que mais desejam: voltar para as escolas e CMEIs. “O que sinto mais falta é de estar com os alunos, poder ouvir e auxiliar, escutar as histórias que os alunos às vezes não contam coisas que nem contam nem para os pais. Todos nós trabalhadores da educação temos parte nessa integração para um bem comum que é do aluno. Isso é muito importante para mim, poder ver os alunos sorrindo e sendo amáveis com a gente”, complementa a auxiliar de serviços escolares.

    Para a professora de educação infantil, o que mais faz falta é “O contato com as pessoas, olho no olho. As mensagens não têm a magia do tom da conversa, da explicação, da cordialidade e do humanismo”.

    Por isso, os trabalhadores da educação seguem firmes na luta para que a as aulas presenciais estejam suspensas enquanto não houver vacina, para segurança dos profissionais e ainda da comunidade escolar e para que a educação seja prioridade no plano de imunização.



Rua Nunes Machado, 1644, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS