Sismac
  • 15 | 04 | 2021 - 15:04 Informe-se

    Escola é alvo de cinco furtos em menos de 15 dias

    Escola é alvo de cinco furtos em menos de 15 dias
    Estrutura da unidade foi danificada e toda a fiação elétrica e telefônica furtada

    A Escola Municipal Moradias do Ribeirão, da Regional CIC, foi vítima do quinto furto seguido em menos de 15 dias. Além dos cinco arrombamentos, o sentimento de insegurança e de desamparo por parte da gestão Greca é forte dentro da comunidade escolar.

    Na primeira investida contra a unidade, a caixa de luz da escola foi danificada. A direção da E. M. Moradias Ribeirão providenciou o reparo para que a energia elétrica fosse restaurada. No segundo arrombamento, os assaltantes entraram pelo telhado do pátio da escola, quebrando parte da estrutura da unidade, as telhas. Nesse segundo ocorrido, uma parte da fiação elétrica e telefônica e o ar-condicionado foram levados.

    No terceiro arrombamento, mais uma vez, o telhado da escola foi danificado, parte da fiação elétrica das salas foi cortada e levada. A fiação foi completamente retirada da unidade na quarta e quinta investida dos assaltantes.

    O prejuízo material para escola é imenso, mas ter que lidar com o descaso da administração diante de inúmeros casos de vandalismo, depredação e violência contra as unidades escolares é absurdo!

    Os furtos e assaltos sofridos nos equipamentos municipais, horas mais horas menos, coloca os trabalhadores do município numa situação de insegurança e vigília cada vez maior.

    Precisamos de mais segurança

    Como proceder em caso de furto e assalto

    - Avisar o Núcleo Regional de Educação, solicitando presença constante da Guarda Municipal (GM) na unidade;

    - Registrar Boletim de Ocorrência na delegacia mais próxima;

    - Caso tenha ocorrido alguma lesão física ou psicológica, recomendamos a Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT), que deve ser feita pela chefia imediata pela Prefeitura ou por qualquer médico (confira mais informações em https://servidor.curitiba.pr.gov.br/conteudos/acidente-de-trabalho-cat/90

    - Realizar protocolo e reclamação na Central de Atendimento 156 por ausência de segurança na unidade de ensino;

    - Enviar ofício para a Secretaria Municipal de Defesa Social e Trânsito, solicitando mais presença da GM no entorno da unidade de ensino;

    - Comunicar a comunidade do entorno da unidade sobre o ocorrido, informando sobre eventuais faltas de equipamento ou se a unidade fechará por alguns dias;

    - Caso esses eventos sejam recorrentes na unidade ou na região, realizar denúncia no Ministério Público do Trabalho (MPT) devido a falta de segurança para realização do trabalho. O registro deve ser feito em

    https://peticionamento.prt9.mpt.mp.br/denuncia
    A resposta aos casos de violência e vandalismo que crescem a cada dia num país que aumenta a desigualdade social na mesma velocidade, nunca é simples.

    O aumento do desemprego, o corte nos salários, a situação de miséria crescente enfrentada pelo conjunto dos trabalhadores, o aumento no preço dos alimentos e de itens básicos, como moradia e gás, por exemplo, e a falta de auxílio dos governos são fatores que fazem com que a criminalidade aumente. Por isso, construir uma sociedade menos desigual é uma tarefa imprescindível para a redução da violência. Mas essa não parece ser uma prioridade de nossos governantes.

    As direções e os departamentos jurídicos dos Sindicatos elaboraram um conjunto de orientações sobre como proceder em caso de furto ou roubo nos equipamentos públicos. Confira os protocolos a serem adotados no box.

    Para além da redução da desigualdade social, é importante que no contexto atual tenhamos a presença da Guarda Municipal nas unidades escolares. Essa é uma reivindicação antiga do conjunto dos servidores da educação que é, ano a ano, rejeitada pela Prefeitura com a desculpa da falta de efetivo e do contrato com a empresa terceirizada de monitoramento e segurança patrimonial. Para contratar mais guardas municipais, basta ter vontade política e encarar os serviços públicos e a segurança de trabalhadores e usuários como uma prioridade. Até quando essa reivindicação seguirá sendo negligenciada? O que mais precisa acontecer para que a gestão Greca tome uma atitude e comece construir soluções para o problema da insegurança nas unidades escolares?

    Além de estarmos alerta, precisamos envolver a comunidade em nossas denúncias e cobrar sistematicamente a Prefeitura por mais segurança nas unidades.

  • 15 | 04 | 2021 - 15:04 Informe-se

    Escola é alvo de cinco furtos em menos de 15 dias

    Escola é alvo de cinco furtos em menos de 15 dias
    Estrutura da unidade foi danificada e toda a fiação elétrica e telefônica furtada

    A Escola Municipal Moradias do Ribeirão, da Regional CIC, foi vítima do quinto furto seguido em menos de 15 dias. Além dos cinco arrombamentos, o sentimento de insegurança e de desamparo por parte da gestão Greca é forte dentro da comunidade escolar.

    Na primeira investida contra a unidade, a caixa de luz da escola foi danificada. A direção da E. M. Moradias Ribeirão providenciou o reparo para que a energia elétrica fosse restaurada. No segundo arrombamento, os assaltantes entraram pelo telhado do pátio da escola, quebrando parte da estrutura da unidade, as telhas. Nesse segundo ocorrido, uma parte da fiação elétrica e telefônica e o ar-condicionado foram levados.

    No terceiro arrombamento, mais uma vez, o telhado da escola foi danificado, parte da fiação elétrica das salas foi cortada e levada. A fiação foi completamente retirada da unidade na quarta e quinta investida dos assaltantes.

    O prejuízo material para escola é imenso, mas ter que lidar com o descaso da administração diante de inúmeros casos de vandalismo, depredação e violência contra as unidades escolares é absurdo!

    Os furtos e assaltos sofridos nos equipamentos municipais, horas mais horas menos, coloca os trabalhadores do município numa situação de insegurança e vigília cada vez maior.

    Precisamos de mais segurança

    Como proceder em caso de furto e assalto

    - Avisar o Núcleo Regional de Educação, solicitando presença constante da Guarda Municipal (GM) na unidade;

    - Registrar Boletim de Ocorrência na delegacia mais próxima;

    - Caso tenha ocorrido alguma lesão física ou psicológica, recomendamos a Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT), que deve ser feita pela chefia imediata pela Prefeitura ou por qualquer médico (confira mais informações em https://servidor.curitiba.pr.gov.br/conteudos/acidente-de-trabalho-cat/90

    - Realizar protocolo e reclamação na Central de Atendimento 156 por ausência de segurança na unidade de ensino;

    - Enviar ofício para a Secretaria Municipal de Defesa Social e Trânsito, solicitando mais presença da GM no entorno da unidade de ensino;

    - Comunicar a comunidade do entorno da unidade sobre o ocorrido, informando sobre eventuais faltas de equipamento ou se a unidade fechará por alguns dias;

    - Caso esses eventos sejam recorrentes na unidade ou na região, realizar denúncia no Ministério Público do Trabalho (MPT) devido a falta de segurança para realização do trabalho. O registro deve ser feito em

    https://peticionamento.prt9.mpt.mp.br/denuncia
    A resposta aos casos de violência e vandalismo que crescem a cada dia num país que aumenta a desigualdade social na mesma velocidade, nunca é simples.

    O aumento do desemprego, o corte nos salários, a situação de miséria crescente enfrentada pelo conjunto dos trabalhadores, o aumento no preço dos alimentos e de itens básicos, como moradia e gás, por exemplo, e a falta de auxílio dos governos são fatores que fazem com que a criminalidade aumente. Por isso, construir uma sociedade menos desigual é uma tarefa imprescindível para a redução da violência. Mas essa não parece ser uma prioridade de nossos governantes.

    As direções e os departamentos jurídicos dos Sindicatos elaboraram um conjunto de orientações sobre como proceder em caso de furto ou roubo nos equipamentos públicos. Confira os protocolos a serem adotados no box.

    Para além da redução da desigualdade social, é importante que no contexto atual tenhamos a presença da Guarda Municipal nas unidades escolares. Essa é uma reivindicação antiga do conjunto dos servidores da educação que é, ano a ano, rejeitada pela Prefeitura com a desculpa da falta de efetivo e do contrato com a empresa terceirizada de monitoramento e segurança patrimonial. Para contratar mais guardas municipais, basta ter vontade política e encarar os serviços públicos e a segurança de trabalhadores e usuários como uma prioridade. Até quando essa reivindicação seguirá sendo negligenciada? O que mais precisa acontecer para que a gestão Greca tome uma atitude e comece construir soluções para o problema da insegurança nas unidades escolares?

    Além de estarmos alerta, precisamos envolver a comunidade em nossas denúncias e cobrar sistematicamente a Prefeitura por mais segurança nas unidades.

Rua Nunes Machado, 1644, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS