Sismac
  • 13 | 10 | 2020 - 19:56 Informe-se

    Mesmo com provas, vereadores arquivam denúncia de compra de votos

    Mesmo com provas, vereadores arquivam denúncia de compra de votos
    Base aliada do Greca na Comissão de Ética manobra regimento para salvar Beto Moraes da investigação de compra de votos

    A transparência não é mesmo o forte na Câmara de Vereadores de Curitiba. Apesar das tentativas dos Sindicatos para cobrar a transmissão ao vivo da reunião da Comissão de Ética da Casa, a sessão não foi transmitida. A reunião desta terça-feira (13) deu prosseguimento à denúncia apresentada pelo SISMMAC e pelo SISMUC de compra de votos e quebra de decoro parlamentar envolvendo o vereador Beto Moraes (PSD).

    Os vereadores da base aliada do desprefeito Rafael Greca manobraram o regimento para retirar partes da ação feita pelos Sindicatos e não acatou a denúncia de compra de votos. A Comissão vai dar prosseguimento para investigar a entrega de prêmio feita pelo vereador fora do tempo, e assim, se a Câmara reconhecer a denúncia como uma irregularidade, Beto Moraes poderá ter uma penalidade mais branda.

    A decisão expôs que a velha política de troca de favores por voto e de não penalizar os colegas continua em prática!

    Os representantes dos sindicatos puderam acompanhar a reunião da Comissão presidida pelo vereador Bruno Pessuti. O relator do caso, vereador Toninho da Farmácia, fez a leitura do relatório, o que já causou estranhamento, pois Toninho da Farmácia foi denunciado pelos sindicatos em outra ação, sobre nepotismo. Em seu voto, o relator, em uma manobra para proteger Beto Moraes, excluiu a principal denúncia da ação, justificando que não caberia à Câmara fazer essa investigação.

    Os próprios vereadores que compõem a Comissão e são da base de apoio do Greca afirmaram que não é função da Câmara investigar compra de votos. Uma prática caracterizada quando um parlamentar entrega vantagens indevidas, como a doação de muletas, cadeiras de rodas e outros (algo feito recorrentemente pelo vereador Beto Moraes). A posição dos Vereadores em se recusar a investigar, vai contra o Código de Ética e Decoro Parlamentar da Casa, que prevê no seu artigo 10 que constitui quebra do decoro, punível com a perda do mandato, a:

    ART. 10

    II - a percepção, a qualquer título, em proveito próprio ou de terceiros, de vantagens indevidas

    XII - utilizar infraestrutura, recursos, funcionários ou serviços administrativos de qualquer natureza, do Poder Legislativo ou do Poder Executivo, para benefício próprio ou outros fins, inclusive eleitorais.

    Para que um Conselho de Ética se comportamentos que são contrários ao decoro parlamentar não são sequer investigados?  

    Os vereadores que compõem a Comissão votaram a favor do relatório, com ressalva, pois se votassem contra a denúncia seria simplesmente arquivada! O Conselho de Ética é formado pelos vereadores Bruno Pessuti (PODE), Dona Lourdes (PSB), Geovane Fernandes (Patriota), Marcos Vieira (PDT), Maria Letícia (PV), Paulo Rink (PL), Professora Josete (PT), Rogério Campos (PSD) e Toninho da Farmácia (DEM). 

    Ou seja, o relator, denunciado por nepotismo em outra ação dos sindicatos, trabalhou para reduzir a penalidade do colega e evitar que ele perca o mandato!

    Representantes do SISMMAC e do SISMUC se manifestaram contra a postura e denunciaram, que devido ao regimento, prevaleceu o voto do vereador Toininho da Farmácia, pois se os membros da comissão votassem contra o relatório, a denúncia seria arquivada.

    Denúncia

    A denúncia apresentada pelos sindicatos reúne fotos de mais de 40 situações em que o vereador Beto Moraes usou o cargo e os assessores pagos com dinheiro público para autopromoção. As fotos comprovam que o vereador e seus assessores distribuíam cestas básicas, muletas, cadeiras de roda, bicicletas e outros brindes com a identificação do nome, foto pessoal e até a logomarca do vereador. Além da utilização indevida da estrutura legislativa para fins eleitorais, as fotos comprovam a prática da velha política da troca de favores por votos, o que pode ser enquadrado como compra de voto e crime eleitoral.

    A denúncia de compra de votos e quebra de decoro parlamentar, também já foi encaminhada pelos Sindicatos no Ministério Público Eleitoral e a investigação na justiça eleitoral não elimina a investigação na Câmara de Vereadores!

    Nepotismo

    Na próxima quinta-feira (15), às 13h30, a Comissão de Ética da CMC vai analisar a denúncia de nepotismo contra os vereadores Serginho do Posto, Toninho da Farmácia, Fabiane Rosa e Julieta Reis. Durante a reunião será analisada se a Comissão acata ou não o recebimento da denúncia.

    Vamos ficar atentos e fazer pressão para ver se esses vereadores irão cumprir sua obrigação ou se utilizarão dos velhos conchavos e apadrinhamentos para tentar enterrar a denúncia!

    Continuamos firmes na luta para uma prática política que valorize os trabalhadores!


  • 13 | 10 | 2020 - 19:56 Informe-se

    Mesmo com provas, vereadores arquivam denúncia de compra de votos

    Mesmo com provas, vereadores arquivam denúncia de compra de votos
    Base aliada do Greca na Comissão de Ética manobra regimento para salvar Beto Moraes da investigação de compra de votos

    A transparência não é mesmo o forte na Câmara de Vereadores de Curitiba. Apesar das tentativas dos Sindicatos para cobrar a transmissão ao vivo da reunião da Comissão de Ética da Casa, a sessão não foi transmitida. A reunião desta terça-feira (13) deu prosseguimento à denúncia apresentada pelo SISMMAC e pelo SISMUC de compra de votos e quebra de decoro parlamentar envolvendo o vereador Beto Moraes (PSD).

    Os vereadores da base aliada do desprefeito Rafael Greca manobraram o regimento para retirar partes da ação feita pelos Sindicatos e não acatou a denúncia de compra de votos. A Comissão vai dar prosseguimento para investigar a entrega de prêmio feita pelo vereador fora do tempo, e assim, se a Câmara reconhecer a denúncia como uma irregularidade, Beto Moraes poderá ter uma penalidade mais branda.

    A decisão expôs que a velha política de troca de favores por voto e de não penalizar os colegas continua em prática!

    Os representantes dos sindicatos puderam acompanhar a reunião da Comissão presidida pelo vereador Bruno Pessuti. O relator do caso, vereador Toninho da Farmácia, fez a leitura do relatório, o que já causou estranhamento, pois Toninho da Farmácia foi denunciado pelos sindicatos em outra ação, sobre nepotismo. Em seu voto, o relator, em uma manobra para proteger Beto Moraes, excluiu a principal denúncia da ação, justificando que não caberia à Câmara fazer essa investigação.

    Os próprios vereadores que compõem a Comissão e são da base de apoio do Greca afirmaram que não é função da Câmara investigar compra de votos. Uma prática caracterizada quando um parlamentar entrega vantagens indevidas, como a doação de muletas, cadeiras de rodas e outros (algo feito recorrentemente pelo vereador Beto Moraes). A posição dos Vereadores em se recusar a investigar, vai contra o Código de Ética e Decoro Parlamentar da Casa, que prevê no seu artigo 10 que constitui quebra do decoro, punível com a perda do mandato, a:

    ART. 10

    II - a percepção, a qualquer título, em proveito próprio ou de terceiros, de vantagens indevidas

    XII - utilizar infraestrutura, recursos, funcionários ou serviços administrativos de qualquer natureza, do Poder Legislativo ou do Poder Executivo, para benefício próprio ou outros fins, inclusive eleitorais.

    Para que um Conselho de Ética se comportamentos que são contrários ao decoro parlamentar não são sequer investigados?  

    Os vereadores que compõem a Comissão votaram a favor do relatório, com ressalva, pois se votassem contra a denúncia seria simplesmente arquivada! O Conselho de Ética é formado pelos vereadores Bruno Pessuti (PODE), Dona Lourdes (PSB), Geovane Fernandes (Patriota), Marcos Vieira (PDT), Maria Letícia (PV), Paulo Rink (PL), Professora Josete (PT), Rogério Campos (PSD) e Toninho da Farmácia (DEM). 

    Ou seja, o relator, denunciado por nepotismo em outra ação dos sindicatos, trabalhou para reduzir a penalidade do colega e evitar que ele perca o mandato!

    Representantes do SISMMAC e do SISMUC se manifestaram contra a postura e denunciaram, que devido ao regimento, prevaleceu o voto do vereador Toininho da Farmácia, pois se os membros da comissão votassem contra o relatório, a denúncia seria arquivada.

    Denúncia

    A denúncia apresentada pelos sindicatos reúne fotos de mais de 40 situações em que o vereador Beto Moraes usou o cargo e os assessores pagos com dinheiro público para autopromoção. As fotos comprovam que o vereador e seus assessores distribuíam cestas básicas, muletas, cadeiras de roda, bicicletas e outros brindes com a identificação do nome, foto pessoal e até a logomarca do vereador. Além da utilização indevida da estrutura legislativa para fins eleitorais, as fotos comprovam a prática da velha política da troca de favores por votos, o que pode ser enquadrado como compra de voto e crime eleitoral.

    A denúncia de compra de votos e quebra de decoro parlamentar, também já foi encaminhada pelos Sindicatos no Ministério Público Eleitoral e a investigação na justiça eleitoral não elimina a investigação na Câmara de Vereadores!

    Nepotismo

    Na próxima quinta-feira (15), às 13h30, a Comissão de Ética da CMC vai analisar a denúncia de nepotismo contra os vereadores Serginho do Posto, Toninho da Farmácia, Fabiane Rosa e Julieta Reis. Durante a reunião será analisada se a Comissão acata ou não o recebimento da denúncia.

    Vamos ficar atentos e fazer pressão para ver se esses vereadores irão cumprir sua obrigação ou se utilizarão dos velhos conchavos e apadrinhamentos para tentar enterrar a denúncia!

    Continuamos firmes na luta para uma prática política que valorize os trabalhadores!


Rua Nunes Machado, 1644, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS