Sismac
  • 14 | 05 | 2020 - 09:56 Condições de Trabalho

    Fala, servidor: servidores da educação não recebem EPIs

    Fala, servidor: servidores da educação não recebem EPIs
    Sem proteção, auxiliares de serviços escolares são chamados para trabalho “voluntário” durante a pandemia

    Os trabalhadores da educação foram tirados da quarentena pelo desgoverno Greca para realizar trabalho supostamente “voluntário” na distribuição de atividades e cestas de alimentação para as famílias.

    Na entrega dos kits de alimentação, que os auxiliares de serviços escolares desempenham de forma bastante competente, pois sabem que as famílias precisam daquele alimento, a gestão ignora o trabalho braçal de 8h por dia. Nesse momento, o desgoverno Greca lembra desses trabalhadores, mas na hora do diálogo para garantir condições mais adequadas e debater a falta de mais auxiliares, a gestão finge que a categoria nem existe.

    Desde o início da pandemia sabemos que a administração poderia chamar os profissionais que estão afastados para auxiliar no combate à Covid-19, porém, isso deve ser feito com responsabilidade!

    E responsabilidade é algo que a Prefeitura não vem tendo com os trabalhadores! Depois de lançar a Instrução Normativa Nº 2 que mais traz dúvidas aos profissionais da educação do que respostas, a administração não se pronunciou mais nos meios oficiais e apenas tem realizado reuniões fechadas com as chefias. E, embora para o Ministério Público do Trabalho (MPT) a Prefeitura tenha dito que o diálogo está aberto, dos inúmeros pedidos de reunião do SISMUC com a SME, nenhum foi concedido.

    Como já temos denunciado há muito tempo, o problema com os EPIs continua. Para os trabalhadores da educação, a administração supostamente responsabilizou as unidades escolares pelas compras, porém, essa aquisição e distribuição deveria ser responsabilidade da administração. Além disso, são diversas denúncias de locais que não receberam verba para realizar a compra de EPIs ou que nem sabem quais devem comprar.

    Auxílio-transporte

    O SISMUC já enviou um ofício para a administração cobrando para que nenhum corte seja realizado nos auxílios transporte e refeição dos trabalhadores. Esse direito deve ser mantido pela Prefeitura, independentemente do aceite dos servidores para o trabalho na distribuição dos kits. Caso você identifique algum corte no próximo contracheque, entre em contato com o Sindicato e faça a denúncia!
    Pelas costas dos trabalhadores e na surdina, a Prefeitura também tem estimulado o uso de máscaras de tecido. Além de uma atitude irresponsável da administração, a utilização de máscaras de tecido vai contra as recomendações do Ministério da Saúde e também da Anvisa para esses casos. A partir do momento em que os trabalhadores estão realizando o contato com a comunidade, eles devem ter os equipamentos adequados para proteger suas vidas e de suas famílias.

    O desgoverno Greca ainda não deixou de lado sua candidatura nas eleições de 2020 e, por isso, tem mentido descaradamente para a população e para os servidores. O trabalho daqueles que estão saindo de suas casas para atender a comunidade não é voluntário, e é direito dos servidores da educação recebem EPIs adequados.

    O SISMUC continua tentando incansavelmente um contato com a Prefeitura, que segue negando. Vamos intensificar a pressão! Para cobrar a SME que ouça a reivindicação dos trabalhadores ligue para (41) 3350-8484.

  • 14 | 05 | 2020 - 09:56 Condições de Trabalho

    Fala, servidor: servidores da educação não recebem EPIs

    Fala, servidor: servidores da educação não recebem EPIs
    Sem proteção, auxiliares de serviços escolares são chamados para trabalho “voluntário” durante a pandemia

    Os trabalhadores da educação foram tirados da quarentena pelo desgoverno Greca para realizar trabalho supostamente “voluntário” na distribuição de atividades e cestas de alimentação para as famílias.

    Na entrega dos kits de alimentação, que os auxiliares de serviços escolares desempenham de forma bastante competente, pois sabem que as famílias precisam daquele alimento, a gestão ignora o trabalho braçal de 8h por dia. Nesse momento, o desgoverno Greca lembra desses trabalhadores, mas na hora do diálogo para garantir condições mais adequadas e debater a falta de mais auxiliares, a gestão finge que a categoria nem existe.

    Desde o início da pandemia sabemos que a administração poderia chamar os profissionais que estão afastados para auxiliar no combate à Covid-19, porém, isso deve ser feito com responsabilidade!

    E responsabilidade é algo que a Prefeitura não vem tendo com os trabalhadores! Depois de lançar a Instrução Normativa Nº 2 que mais traz dúvidas aos profissionais da educação do que respostas, a administração não se pronunciou mais nos meios oficiais e apenas tem realizado reuniões fechadas com as chefias. E, embora para o Ministério Público do Trabalho (MPT) a Prefeitura tenha dito que o diálogo está aberto, dos inúmeros pedidos de reunião do SISMUC com a SME, nenhum foi concedido.

    Como já temos denunciado há muito tempo, o problema com os EPIs continua. Para os trabalhadores da educação, a administração supostamente responsabilizou as unidades escolares pelas compras, porém, essa aquisição e distribuição deveria ser responsabilidade da administração. Além disso, são diversas denúncias de locais que não receberam verba para realizar a compra de EPIs ou que nem sabem quais devem comprar.

    Auxílio-transporte

    O SISMUC já enviou um ofício para a administração cobrando para que nenhum corte seja realizado nos auxílios transporte e refeição dos trabalhadores. Esse direito deve ser mantido pela Prefeitura, independentemente do aceite dos servidores para o trabalho na distribuição dos kits. Caso você identifique algum corte no próximo contracheque, entre em contato com o Sindicato e faça a denúncia!
    Pelas costas dos trabalhadores e na surdina, a Prefeitura também tem estimulado o uso de máscaras de tecido. Além de uma atitude irresponsável da administração, a utilização de máscaras de tecido vai contra as recomendações do Ministério da Saúde e também da Anvisa para esses casos. A partir do momento em que os trabalhadores estão realizando o contato com a comunidade, eles devem ter os equipamentos adequados para proteger suas vidas e de suas famílias.

    O desgoverno Greca ainda não deixou de lado sua candidatura nas eleições de 2020 e, por isso, tem mentido descaradamente para a população e para os servidores. O trabalho daqueles que estão saindo de suas casas para atender a comunidade não é voluntário, e é direito dos servidores da educação recebem EPIs adequados.

    O SISMUC continua tentando incansavelmente um contato com a Prefeitura, que segue negando. Vamos intensificar a pressão! Para cobrar a SME que ouça a reivindicação dos trabalhadores ligue para (41) 3350-8484.

Rua Nunes Machado, 1644, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS