Sismac

Notícias | Todas

Imprimir
  • Magistério de Curitiba se mobiliza contra corte do orçamento federal destinado à educação
    06 | 08 | 2015 - 11:52 Geral

    Magistério de Curitiba se mobiliza contra corte do orçamento federal destinado à educação

    Conselho de Representantes da última quarta-feira (6) a decidiu reforçar a mobilização contra os cortes na pasta que já somaram R$ 10,6 bilhões só neste ano

    O magistério municipal de Curitiba é contra a redução do orçamento destinado à educação! Na reunião do Conselho de Representantes da última quarta-feira (6), a categoria debateu os cortes anunciados pelo governo federal (PT/PMDB) e decidiu reforçar a mobilização contra essas medidas. Somando os valores das duas tesouradas, o Ministério da Educação já perdeu R$ 10,6 bilhões só neste ano!

    Ajude a mostrar que as professoras e professores da sua escola também são contrários aos cortes de verbas. Reúna os colegas, produza cartazes ou faixas e tire fotos para registrar a indignação da unidade. Não esqueça de enviar o email imprensa@sismmac.org.br ou de compartilhar no Facebook do Sindicato.

    Medidas de ajuste fiscal afetam áreas sociais e direitos dos trabalhadores
    No dia 30 de julho, o governo federal anunciou um novo corte orçamentário que retira mais de R$ 900 milhões da educação. Somado com os valores dos cortes divulgados no mês de maio, o Ministério da Educação já perdeu R$ 10,6 bilhões só neste ano.

    A medida afeta o funcionamento das universidades federais, tem gerado a suspensão e atraso no pagamento de bolsas e já prejudica até mesmo o funcionamento de projetos como o Programa Nacional do Livro Didático. A revolta com essa situação vem gerando greves e protestos. Já são 67 universidades e instituições federais de ensino com greve de técnicos-administrativos e 24 instituições com greve de professores.

    Diante desse cenário de ataques e corte de direitos sociais, é preciso mobilizar e unir o conjunto da classe trabalhadora para resistir. Só nossa mobilização pode frear as ameaças que buscam resolver a crise econômica gerada pelos empresários às custas do aumento da exploração e da piora das condições de vida da maioria dos trabalhadores.

    NENHUM RECURSO A MENOS PARA A EDUCAÇÃO, QUE OS EMPRESÁRIOS PAGUEM PELA CRISE!

    O corte de recursos destinados às áreas sociais é apresentado por seus defensores como necessário para ''''''''''''''''''''''''''''''''equilibrar o orçamento'''''''''''''''''''''''''''''''' e impulsionar o retorno do crescimento econômico. Entretanto, trata-se na verdade de uma resposta à pressão dos grandes empresários, que tentam empurrar para os trabalhadores os custos de uma crise que eles mesmos produziram. Cobram que os governos cortem direitos e reduzam os investimentos em áreas sociais para garantir, a qualquer custo, a lucratividade e segurança dos seus capitais.

    Prova disso é que o corte com gastos sociais é rapidamente engolido pelos gastos com o pagamento de juros. Apenas em março de 2015, o governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) gostou mais de R$ 62,231 bilhões com pagamento de juros, 1,6 vez mais do que os recursos cortados nas três áreas no final de julho.

Imprimir
  • 06 | 08 | 2015 - 11:52 Geral
    Magistério de Curitiba se mobiliza contra corte do orçamento federal destinado à educação

    Magistério de Curitiba se mobiliza contra corte do orçamento federal destinado à educação

    Conselho de Representantes da última quarta-feira (6) a decidiu reforçar a mobilização contra os cortes na pasta que já somaram R$ 10,6 bilhões só neste ano

    O magistério municipal de Curitiba é contra a redução do orçamento destinado à educação! Na reunião do Conselho de Representantes da última quarta-feira (6), a categoria debateu os cortes anunciados pelo governo federal (PT/PMDB) e decidiu reforçar a mobilização contra essas medidas. Somando os valores das duas tesouradas, o Ministério da Educação já perdeu R$ 10,6 bilhões só neste ano!

    Ajude a mostrar que as professoras e professores da sua escola também são contrários aos cortes de verbas. Reúna os colegas, produza cartazes ou faixas e tire fotos para registrar a indignação da unidade. Não esqueça de enviar o email imprensa@sismmac.org.br ou de compartilhar no Facebook do Sindicato.

    Medidas de ajuste fiscal afetam áreas sociais e direitos dos trabalhadores
    No dia 30 de julho, o governo federal anunciou um novo corte orçamentário que retira mais de R$ 900 milhões da educação. Somado com os valores dos cortes divulgados no mês de maio, o Ministério da Educação já perdeu R$ 10,6 bilhões só neste ano.

    A medida afeta o funcionamento das universidades federais, tem gerado a suspensão e atraso no pagamento de bolsas e já prejudica até mesmo o funcionamento de projetos como o Programa Nacional do Livro Didático. A revolta com essa situação vem gerando greves e protestos. Já são 67 universidades e instituições federais de ensino com greve de técnicos-administrativos e 24 instituições com greve de professores.

    Diante desse cenário de ataques e corte de direitos sociais, é preciso mobilizar e unir o conjunto da classe trabalhadora para resistir. Só nossa mobilização pode frear as ameaças que buscam resolver a crise econômica gerada pelos empresários às custas do aumento da exploração e da piora das condições de vida da maioria dos trabalhadores.

    NENHUM RECURSO A MENOS PARA A EDUCAÇÃO, QUE OS EMPRESÁRIOS PAGUEM PELA CRISE!

    O corte de recursos destinados às áreas sociais é apresentado por seus defensores como necessário para ''''''''''''''''''''''''''''''''equilibrar o orçamento'''''''''''''''''''''''''''''''' e impulsionar o retorno do crescimento econômico. Entretanto, trata-se na verdade de uma resposta à pressão dos grandes empresários, que tentam empurrar para os trabalhadores os custos de uma crise que eles mesmos produziram. Cobram que os governos cortem direitos e reduzam os investimentos em áreas sociais para garantir, a qualquer custo, a lucratividade e segurança dos seus capitais.

    Prova disso é que o corte com gastos sociais é rapidamente engolido pelos gastos com o pagamento de juros. Apenas em março de 2015, o governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) gostou mais de R$ 62,231 bilhões com pagamento de juros, 1,6 vez mais do que os recursos cortados nas três áreas no final de julho.

Rua Nunes Machado, 1577, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS