Sismac

Notícias | Todas

Imprimir
  • Novo corte reduz em R$ 900 milhões orçamento destinado à educação
    03 | 08 | 2015 - 16:06 Geral

    Novo corte reduz em R$ 900 milhões orçamento destinado à educação

    Com o novo bloqueio, o valor total retirado da pasta em 2015 chega a R$ 10,6 bilhões.

    Apesar do slogan “Pátria Educadora” que marcaria o segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, o Ministério da Educação foi um dos mais atingidos pelo novo corte orçamentário divulgado pelo governo federal na última quinta-feira (30). Ao todo, a nova tesourada alcançou o montante de R$ 8,6 bilhões.

    Os ministérios mais afetados foram Cidades (R$ 1,3 bilhão), Saúde (R$ 1,2 bilhão) e Educação (R$ 900 milhões).

    No primeiro corte, divulgado no mês de maio, o Ministério da Educação sofreu um corte de R$ 9,4 bilhões. Com o novo bloqueio, o valor total retirado da pasta chega a R$ 10,6 bilhões.

    O corte de recursos destinados às áreas sociais é apresentado por seus defensores como necessidade para ''equilibrar o orçamento'' e impulsionar o retorno do crescimento econômico. Entretanto, trata-se na verdade de uma resposta à pressão dos grandes empresários, que tentam empurrar para os trabalhadores os custos de uma crise que eles mesmos produziram. Cobram que os governos cortem direitos e reduzam os investimentos em áreas sociais para garantir, a qualquer custo, a lucratividade e segurança dos seus capitais.

    Prova disso é que o corte com gastos sociais é rapidamente engolido pelos gastos com o pagamento de juros. Apenas em março de 2015, o governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) gostou mais de R$ 62,231 bilhões com pagamento de juros, 1,6 vez mais do que os recursos cortados nas três áreas no final de julho.

    A redução de investimentos em áreas sociais prejudica os trabalhadores, que são a imensa maioria da população. Além dos cortes de orçamento, os trabalhadores já sofreram um grave ataque no primeiro semestre deste ano, com as medidas provisórias que dificultam o acesso ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e das pensões.

    Diante desse cenário, é preciso mobilizar e unir o conjunto da classe trabalhadora para enfrentar e resistir aos ataques. O Projeto de Lei que amplia a terceirização para todos os ramos e serviços e o Plano de Proteção ao Emprego são novas ameaças que buscam resolver a crise econômica gerada pelos empresários custas do aumento da exploração e da piora das condições de vida da maioria dos trabalhadores.

    Nenhum direito a menos, avançar rumo a novas conquistas!

Imprimir
  • 03 | 08 | 2015 - 16:06 Geral
    Novo corte reduz em R$ 900 milhões orçamento destinado à educação

    Novo corte reduz em R$ 900 milhões orçamento destinado à educação

    Com o novo bloqueio, o valor total retirado da pasta em 2015 chega a R$ 10,6 bilhões.

    Apesar do slogan “Pátria Educadora” que marcaria o segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, o Ministério da Educação foi um dos mais atingidos pelo novo corte orçamentário divulgado pelo governo federal na última quinta-feira (30). Ao todo, a nova tesourada alcançou o montante de R$ 8,6 bilhões.

    Os ministérios mais afetados foram Cidades (R$ 1,3 bilhão), Saúde (R$ 1,2 bilhão) e Educação (R$ 900 milhões).

    No primeiro corte, divulgado no mês de maio, o Ministério da Educação sofreu um corte de R$ 9,4 bilhões. Com o novo bloqueio, o valor total retirado da pasta chega a R$ 10,6 bilhões.

    O corte de recursos destinados às áreas sociais é apresentado por seus defensores como necessidade para ''equilibrar o orçamento'' e impulsionar o retorno do crescimento econômico. Entretanto, trata-se na verdade de uma resposta à pressão dos grandes empresários, que tentam empurrar para os trabalhadores os custos de uma crise que eles mesmos produziram. Cobram que os governos cortem direitos e reduzam os investimentos em áreas sociais para garantir, a qualquer custo, a lucratividade e segurança dos seus capitais.

    Prova disso é que o corte com gastos sociais é rapidamente engolido pelos gastos com o pagamento de juros. Apenas em março de 2015, o governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) gostou mais de R$ 62,231 bilhões com pagamento de juros, 1,6 vez mais do que os recursos cortados nas três áreas no final de julho.

    A redução de investimentos em áreas sociais prejudica os trabalhadores, que são a imensa maioria da população. Além dos cortes de orçamento, os trabalhadores já sofreram um grave ataque no primeiro semestre deste ano, com as medidas provisórias que dificultam o acesso ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e das pensões.

    Diante desse cenário, é preciso mobilizar e unir o conjunto da classe trabalhadora para enfrentar e resistir aos ataques. O Projeto de Lei que amplia a terceirização para todos os ramos e serviços e o Plano de Proteção ao Emprego são novas ameaças que buscam resolver a crise econômica gerada pelos empresários custas do aumento da exploração e da piora das condições de vida da maioria dos trabalhadores.

    Nenhum direito a menos, avançar rumo a novas conquistas!

Rua Nunes Machado, 1577, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS