Sismac

Notícias | Ed. Especial

Imprimir
  • Professoras da Educação Especial se reúnem na próxima terça-feira (16)
    11 | 08 | 2016 - 13:21 Ed. Especial

    Professoras da Educação Especial se reúnem na próxima terça-feira (16)

    Encontro dará início às discussões que serão travadas na reunião com a Prefeitura no dia 31 de agosto
    Na próxima terça-feira (16), as professoras da Educação Especial e a direção do SISMMAC têm um encontro marcado para definir estratégias para a reunião com a administração municipal, que acontece no dia 31 de agosto. A reunião começa às 18h30 e será realizada na sede do Sindicato (Rua Nunes Machado, 1577 – Rebouças).

    Além do conjunto de reivindicações elaborado pelo segmento das professoras da Educação Especial e aprovado pelo conjunto do magistério, a reunião também vai elencar os mais novos problemas enfrentados por essas trabalhadoras: o fechamento das classes especiais e o corte dos apoios especializados nos CMAEs. Algumas dessas professoras já conseguiram ser realocadas em escolas de Educação Especial, entretanto, as demais permanecem no ensino regular. Por isso, vamos dar continuidade a essa luta.

    Avise as suas colegas sobre essa reunião e participe. Juntos somos mais fortes!

    Confira os pontos da Educação Especial que compõem a Pauta Geral de Reivindicações do magistério:


    - Gratificação em Educação Especial: pagar 50% para todos os profissionais que atuam na Educação Especial em escolas, classes especiais, salas de recursos (com estudantes com dificuldade de aprendizagem, multifuncionais e altas habilidades), CMAEs, bem como àqueles que atuam como RIT. Pagar de forma proporcional para os profissionais de área que atuam nas classes especiais.

    - Ampliar o número de CMAEs e o número de profissionais, para agilizar as avaliações e o atendimento da demanda de cada regional.

    - Cumprir o Relatório Final da Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Curitiba: “implantar um Centro de Convivência em cada Núcleo Regional do município de Curitiba, especializado exclusivamente no atendimento às pessoas com deficiência, instrumentalizando-os com equipe multidisciplinar capacitada e equipamentos adequados”. (Curitiba, 2012). Garantir também o transporte, sem limite de idade, assim como a oferta de cursos profissionalizantes. Informar para onde os alunos das escolas especiais que completam 24 anos, 11 meses e 29 dias serão encaminhados. E, também, informar para onde os alunos das salas de recursos que completam 16 anos serão encaminhados.

    - Firmar parceria com a Secretaria Municipal da Saúde para garantir o número necessário de profissionais(psicológicos, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, neurologistas, psiquiatras, entre outros) para atuarem nas escolas especiais e CMAEs, garantindo a substituição do profissional em casos de afastamentos. É fundamental ter o atendimento de saúde ao público interno dentro dos CMAEs e nas escolas especiais.

    - Criar programas que atendam estudantes adultos com necessidades especiais, sem limite de idade, em regime de colaboração com o governo do estado, de acordo com o aprovado na Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Curitiba, realizada em 2012.

    - Garantir e dar condições para os profissionais do magistério que atuam nos CMAEs realizarem o acompanhamento do estudante na unidade de ensino, interagindo com os profissionais do magistério e equipe pedagógica-administrativa. Para isso, é necessário que esses encontros aconteçam nos próprios CMAEs, no horário de trabalho do profissional do magistério, e não fora da unidade.

    - Garantir a hora-atividade, conforme Lei do Piso, para todos os profissionais do magistério que atuam na educação especial.

    - Firmar parceria com a Fundação de Ação Social (FAS) a fim de incluir a carreira do Profissional de Assistência Social na Rede de Apoio à inclusão, nos CMAEs e escolas especiais.

    - Garantir que as escolas especiais tenham autonomia para fazer o currículo adaptado conforme a realidade dos alunos que utilizam os serviços.

    - Disponibilizar cadastro no site do Cidade do Conhecimento, contemplando os que já foram chamados e os que estão à espera de vaga.

    - Realizar o cadastro em 2016, pois há três anos não há um novo cadastro. É importante que a abertura de cadastro aconteça anualmente, pois de tempos em tempos, os profissionais do magistério capacitam-se na área de educação especial.

    - Garantir o direito dos alunos de inclusão de ter um profissional de apoio, tanto na escola especial como no ensino regular.

    - Capacitar os professores e profissionais de apoio dos educandos / crianças com necessidades para o Atendimento Educacional Especializado.

    - Garantir que os profissionais que atuam nas escolas conveniadas tenham isonomia com os outros profissionais, participando das formações, progressões, com liberação nas escolas para esse objetivo.

    - Garantir que o profissional que tenha licença para mestrado e doutorado, ao retornar da licença, continue trabalhando na educação especial, sem precisar participar de outro cadastro.

    - Garantir que as escolas especiais possuam um pedagogo para cada cinco turmas.

    - Realizar eleições para escolha dos diretores de CMAEs.
Imprimir
  • 11 | 08 | 2016 - 13:21 Ed. Especial
    Professoras da Educação Especial se reúnem na próxima terça-feira (16)

    Professoras da Educação Especial se reúnem na próxima terça-feira (16)

    Encontro dará início às discussões que serão travadas na reunião com a Prefeitura no dia 31 de agosto
    Na próxima terça-feira (16), as professoras da Educação Especial e a direção do SISMMAC têm um encontro marcado para definir estratégias para a reunião com a administração municipal, que acontece no dia 31 de agosto. A reunião começa às 18h30 e será realizada na sede do Sindicato (Rua Nunes Machado, 1577 – Rebouças).

    Além do conjunto de reivindicações elaborado pelo segmento das professoras da Educação Especial e aprovado pelo conjunto do magistério, a reunião também vai elencar os mais novos problemas enfrentados por essas trabalhadoras: o fechamento das classes especiais e o corte dos apoios especializados nos CMAEs. Algumas dessas professoras já conseguiram ser realocadas em escolas de Educação Especial, entretanto, as demais permanecem no ensino regular. Por isso, vamos dar continuidade a essa luta.

    Avise as suas colegas sobre essa reunião e participe. Juntos somos mais fortes!

    Confira os pontos da Educação Especial que compõem a Pauta Geral de Reivindicações do magistério:


    - Gratificação em Educação Especial: pagar 50% para todos os profissionais que atuam na Educação Especial em escolas, classes especiais, salas de recursos (com estudantes com dificuldade de aprendizagem, multifuncionais e altas habilidades), CMAEs, bem como àqueles que atuam como RIT. Pagar de forma proporcional para os profissionais de área que atuam nas classes especiais.

    - Ampliar o número de CMAEs e o número de profissionais, para agilizar as avaliações e o atendimento da demanda de cada regional.

    - Cumprir o Relatório Final da Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Curitiba: “implantar um Centro de Convivência em cada Núcleo Regional do município de Curitiba, especializado exclusivamente no atendimento às pessoas com deficiência, instrumentalizando-os com equipe multidisciplinar capacitada e equipamentos adequados”. (Curitiba, 2012). Garantir também o transporte, sem limite de idade, assim como a oferta de cursos profissionalizantes. Informar para onde os alunos das escolas especiais que completam 24 anos, 11 meses e 29 dias serão encaminhados. E, também, informar para onde os alunos das salas de recursos que completam 16 anos serão encaminhados.

    - Firmar parceria com a Secretaria Municipal da Saúde para garantir o número necessário de profissionais(psicológicos, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, neurologistas, psiquiatras, entre outros) para atuarem nas escolas especiais e CMAEs, garantindo a substituição do profissional em casos de afastamentos. É fundamental ter o atendimento de saúde ao público interno dentro dos CMAEs e nas escolas especiais.

    - Criar programas que atendam estudantes adultos com necessidades especiais, sem limite de idade, em regime de colaboração com o governo do estado, de acordo com o aprovado na Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Curitiba, realizada em 2012.

    - Garantir e dar condições para os profissionais do magistério que atuam nos CMAEs realizarem o acompanhamento do estudante na unidade de ensino, interagindo com os profissionais do magistério e equipe pedagógica-administrativa. Para isso, é necessário que esses encontros aconteçam nos próprios CMAEs, no horário de trabalho do profissional do magistério, e não fora da unidade.

    - Garantir a hora-atividade, conforme Lei do Piso, para todos os profissionais do magistério que atuam na educação especial.

    - Firmar parceria com a Fundação de Ação Social (FAS) a fim de incluir a carreira do Profissional de Assistência Social na Rede de Apoio à inclusão, nos CMAEs e escolas especiais.

    - Garantir que as escolas especiais tenham autonomia para fazer o currículo adaptado conforme a realidade dos alunos que utilizam os serviços.

    - Disponibilizar cadastro no site do Cidade do Conhecimento, contemplando os que já foram chamados e os que estão à espera de vaga.

    - Realizar o cadastro em 2016, pois há três anos não há um novo cadastro. É importante que a abertura de cadastro aconteça anualmente, pois de tempos em tempos, os profissionais do magistério capacitam-se na área de educação especial.

    - Garantir o direito dos alunos de inclusão de ter um profissional de apoio, tanto na escola especial como no ensino regular.

    - Capacitar os professores e profissionais de apoio dos educandos / crianças com necessidades para o Atendimento Educacional Especializado.

    - Garantir que os profissionais que atuam nas escolas conveniadas tenham isonomia com os outros profissionais, participando das formações, progressões, com liberação nas escolas para esse objetivo.

    - Garantir que o profissional que tenha licença para mestrado e doutorado, ao retornar da licença, continue trabalhando na educação especial, sem precisar participar de outro cadastro.

    - Garantir que as escolas especiais possuam um pedagogo para cada cinco turmas.

    - Realizar eleições para escolha dos diretores de CMAEs.

Rua Nunes Machado, 1577, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS