Sismac

Notícias | Pedagogas

Imprimir
  • Gestão admite necessidade de aumentar número de pedagogas nas unidades
    05 | 07 | 2016 - 16:29 Pedagogas

    Gestão admite necessidade de aumentar número de pedagogas nas unidades

    Apesar de reconhecer a necessidade, gestão Fruet não se compromete com prazos, nem com revisão do dimensionamento

    Na manhã desta terça-feira (5), a direção do SISMMAC se reuniu com representantes das secretarias de Educação e Recursos Humanos para negociar as reivindicações específicas das pedagogas.

    A administração municipal reconheceu que nossas reivindicações tratam de mudanças necessárias para a melhoria da qualidade da educação de Curitiba. Entretanto, não se comprometeu com prazos para as principais demandas do segmento.

    Confira abaixo as respostas da Prefeitura para cada uma das reivindicações:

    Rever a portaria do dimensionamento e aumentar a quantidade de pedagogos nas unidades

    O item mais debatido durante a reunião foi a revisão da portaria de dimensionamento. A direção do SISMMAC cobrou, em conjunto com as pedagogas da base presentes, prioridade para aumentar o número de pedagogos nas unidades escolares.

    Desde 2013, a administração municipal reconhece que é preciso rever a portaria. Entretanto, alega que a mudança ainda não foi feita por “problemas orçamentários”. As pedagogas presentes na reunião criticaram essa informação, questionando os gastos com propaganda da gestão Fruet (PDT/PT). O representante da Secretaria de Recursos Humanos tentou cortar o assunto de forma grosseira, alegando que as pedagogas não tinham relação alguma com marketing. Para os representantes do magistério acompanharam a reunião, foi um gesto de despeito da administração diante de uma crítica legítima categoria.

    As pedagogas presentes relembraram que o Plano Municipal de Educação, instituído pela Lei 14681/2015, prevê a garantia de um pedagogo para cada cinco turmas e cobraram a realização de estudos para que se cumpra essa meta do Plano.

    Foram citados também os casos limites da portaria de dimensionamento conforma a tabela abaixo. Nessas unidades, os pedagogos atendem pelo menos 10 turmas e a responsáveis por até 10 turmas.

    Diante desses casos, a administração municipal se comprometeu em estudar as demandas das unidades em conjunto com a comissão paritária que está revendo o decreto das atribuições dos pedagogos. Entretanto, não garantiu que irá atender as reivindicações, nem que irá de fato rever a portaria.

    Garantia de tempo para estudo

    As pedagogas defenderam a necessidade de tempo sistematizado para estudo e planejamento. A cobrança busca melhorar as condições de trabalho e permitir que essas profissionais tenham condições de realizar planejamento e investigação das demandas internas das unidades. A Secretaria Municipal de Educação se comprometeu a organizar um documento, com a participação do segmento, para orientar a organização do tempo de estudo nas unidades educacionais.

    Revisão do decreto das funções do pedagogo

    O item foi cobrado, mas não foi debatido na reunião. O tema continuará sendo tratado na comissão de trabalho criada para este fim. No último dia 4, foi concluída a primeira rodada de propostas para revisão das funções das pedagogas e pedagogos.

    A comissão tem mais três reuniões agendadas para os dias 4, 11 e 18 de agosto. Nessas datas, serão avaliadas as reivindicações e propostas levantadas nas reuniões realizadas nos núcleos regionais. A partir dessa avaliação, será finalizada a proposta de reformulação do decreto.

    RIT de pedagogas na Docência I

    As pedagogas também questionaram a possibilidade de fazerem RIT como Docência I. A administração municipal afirmou os casos são avaliados individualmente e que não há uma regra sobre o assunto. A pedagogo ou pedagogo pode assumir o RIT em Docência I, a depender da avaliação das necessidades e das demandas expressas.

    Fim da burocratização e maior participação

    Conheça as reivindicações!

    As reivindicações das pedagogas estão nos itens 36 ao 42 da Pauta Geral de Reivindicações do magistério.
    Veja mais
    A Secretaria Municipal de Educação também se comprometeu a atender reivindicações que dizem respeito à diminuição da sobrecarga de trabalho burocrático e a melhoria das condições de trabalho. A garantia de um prazo maior prazo para entregar documentos e a participação das profissionais na construção de instrumentos que orientem seu próprio trabalho foram itens aceitos pela administração municipal e devem ser cumpridos.

  • 05 | 07 | 2016 - 16:29 Pedagogas
    Gestão admite necessidade de aumentar número de pedagogas nas unidades

    Gestão admite necessidade de aumentar número de pedagogas nas unidades

    Apesar de reconhecer a necessidade, gestão Fruet não se compromete com prazos, nem com revisão do dimensionamento

    Na manhã desta terça-feira (5), a direção do SISMMAC se reuniu com representantes das secretarias de Educação e Recursos Humanos para negociar as reivindicações específicas das pedagogas.

    A administração municipal reconheceu que nossas reivindicações tratam de mudanças necessárias para a melhoria da qualidade da educação de Curitiba. Entretanto, não se comprometeu com prazos para as principais demandas do segmento.

    Confira abaixo as respostas da Prefeitura para cada uma das reivindicações:

    Rever a portaria do dimensionamento e aumentar a quantidade de pedagogos nas unidades

    O item mais debatido durante a reunião foi a revisão da portaria de dimensionamento. A direção do SISMMAC cobrou, em conjunto com as pedagogas da base presentes, prioridade para aumentar o número de pedagogos nas unidades escolares.

    Desde 2013, a administração municipal reconhece que é preciso rever a portaria. Entretanto, alega que a mudança ainda não foi feita por “problemas orçamentários”. As pedagogas presentes na reunião criticaram essa informação, questionando os gastos com propaganda da gestão Fruet (PDT/PT). O representante da Secretaria de Recursos Humanos tentou cortar o assunto de forma grosseira, alegando que as pedagogas não tinham relação alguma com marketing. Para os representantes do magistério acompanharam a reunião, foi um gesto de despeito da administração diante de uma crítica legítima categoria.

    As pedagogas presentes relembraram que o Plano Municipal de Educação, instituído pela Lei 14681/2015, prevê a garantia de um pedagogo para cada cinco turmas e cobraram a realização de estudos para que se cumpra essa meta do Plano.

    Foram citados também os casos limites da portaria de dimensionamento conforma a tabela abaixo. Nessas unidades, os pedagogos atendem pelo menos 10 turmas e a responsáveis por até 10 turmas.

    Diante desses casos, a administração municipal se comprometeu em estudar as demandas das unidades em conjunto com a comissão paritária que está revendo o decreto das atribuições dos pedagogos. Entretanto, não garantiu que irá atender as reivindicações, nem que irá de fato rever a portaria.

    Garantia de tempo para estudo

    As pedagogas defenderam a necessidade de tempo sistematizado para estudo e planejamento. A cobrança busca melhorar as condições de trabalho e permitir que essas profissionais tenham condições de realizar planejamento e investigação das demandas internas das unidades. A Secretaria Municipal de Educação se comprometeu a organizar um documento, com a participação do segmento, para orientar a organização do tempo de estudo nas unidades educacionais.

    Revisão do decreto das funções do pedagogo

    O item foi cobrado, mas não foi debatido na reunião. O tema continuará sendo tratado na comissão de trabalho criada para este fim. No último dia 4, foi concluída a primeira rodada de propostas para revisão das funções das pedagogas e pedagogos.

    A comissão tem mais três reuniões agendadas para os dias 4, 11 e 18 de agosto. Nessas datas, serão avaliadas as reivindicações e propostas levantadas nas reuniões realizadas nos núcleos regionais. A partir dessa avaliação, será finalizada a proposta de reformulação do decreto.

    RIT de pedagogas na Docência I

    As pedagogas também questionaram a possibilidade de fazerem RIT como Docência I. A administração municipal afirmou os casos são avaliados individualmente e que não há uma regra sobre o assunto. A pedagogo ou pedagogo pode assumir o RIT em Docência I, a depender da avaliação das necessidades e das demandas expressas.

    Fim da burocratização e maior participação

    Conheça as reivindicações!

    As reivindicações das pedagogas estão nos itens 36 ao 42 da Pauta Geral de Reivindicações do magistério.
    Veja mais
    A Secretaria Municipal de Educação também se comprometeu a atender reivindicações que dizem respeito à diminuição da sobrecarga de trabalho burocrático e a melhoria das condições de trabalho. A garantia de um prazo maior prazo para entregar documentos e a participação das profissionais na construção de instrumentos que orientem seu próprio trabalho foram itens aceitos pela administração municipal e devem ser cumpridos.

Rua Nunes Machado, 1644, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS