Sismac
  • 20 | 11 | 2020 - 15:35 Informe-se

    Toda apoio à luta de professores e funcionários de escola do Paraná

    Toda apoio à luta de professores e funcionários de escola do Paraná
    Servidores ocuparam a ALEP e 47 iniciaram greve de fome pela prorrogação dos contratos e suspensão da prova para PSS

    O SISMMAC, SISMUC, SIFAR, SISMMAR e o coletivo Firmes Na Luta - Juntos com a Base reforçam sua solidariedade e apoio aos professores e funcionários de escola do Paraná que estão em luta pela revogação do Edital 47/2020. Esse edital regulamenta a realização de uma prova para contratação de servidores temporários, via Processo Seletivo Simplificado (PSS), com a cobrança de taxa de inscrição e sem considerar que estamos em meio à pandemia de Covid-19.

    Em protesto, professores e funcionários de escola ocuparam o prédio da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) na tarde última quarta-feira (18) e saíram do local na manhã do dia seguinte por força de decisão judicial que estipulou multa diária de R$ 30 mil. Os servidores sem mantêm em frente ao prédio e 47 deles iniciaram uma greve de fome que já completou 24 horas.

    A categoria pede a revogação imediata do edital 47 e a prorrogação dos contratos dos professores que já estão atuando como PSS. A manifestação também reivindica o pagamento de progressões e promoções, a suspensão da militarização das escolas estaduais e a revogação da terceirização de funcionários, entre outras questões.

    Não há dúvidas de que a rede estadual de educação precisa de um novo concurso para repor o déficit de quase 20 mil vagas. Entretanto, esse concurso deve ocorrer quando não houver riscos à saúde de todos e deve garantir o direito a estabilidade e demais garantias dos servidores públicos concursados.

    Os sindicatos se solidarizam com a luta justa dos professores e funcionários de escolas da rede estadual, que viram a contratação temporária via PSS começar para cobrir a falta de trabalhadores e se transformar em uma forma de substituir os concursos públicos. O PSS, que Greca começou a implantar na Prefeitura de Curitiba na educação infantil e na saúde, representa uma contratação precarizada, com menos direitos para os trabalhadores.

    Seguimos firmes na luta pela realização de concurso público e contra a militarização das escolas. Firmes!

    Assinam essa nota de apoio:

    Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba (SISMMAC),

    Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba (SISMUC)

    Sindicato dos Servidores de Araucária (SIFAR),

    Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Araucária (SISMMAR),

    Coletivo Firmes na Luta – Juntos com a Base, que reúne servidores municipais de São José dos Pinhais.

  • 20 | 11 | 2020 - 15:35 Informe-se

    Toda apoio à luta de professores e funcionários de escola do Paraná

    Toda apoio à luta de professores e funcionários de escola do Paraná
    Servidores ocuparam a ALEP e 47 iniciaram greve de fome pela prorrogação dos contratos e suspensão da prova para PSS

    O SISMMAC, SISMUC, SIFAR, SISMMAR e o coletivo Firmes Na Luta - Juntos com a Base reforçam sua solidariedade e apoio aos professores e funcionários de escola do Paraná que estão em luta pela revogação do Edital 47/2020. Esse edital regulamenta a realização de uma prova para contratação de servidores temporários, via Processo Seletivo Simplificado (PSS), com a cobrança de taxa de inscrição e sem considerar que estamos em meio à pandemia de Covid-19.

    Em protesto, professores e funcionários de escola ocuparam o prédio da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) na tarde última quarta-feira (18) e saíram do local na manhã do dia seguinte por força de decisão judicial que estipulou multa diária de R$ 30 mil. Os servidores sem mantêm em frente ao prédio e 47 deles iniciaram uma greve de fome que já completou 24 horas.

    A categoria pede a revogação imediata do edital 47 e a prorrogação dos contratos dos professores que já estão atuando como PSS. A manifestação também reivindica o pagamento de progressões e promoções, a suspensão da militarização das escolas estaduais e a revogação da terceirização de funcionários, entre outras questões.

    Não há dúvidas de que a rede estadual de educação precisa de um novo concurso para repor o déficit de quase 20 mil vagas. Entretanto, esse concurso deve ocorrer quando não houver riscos à saúde de todos e deve garantir o direito a estabilidade e demais garantias dos servidores públicos concursados.

    Os sindicatos se solidarizam com a luta justa dos professores e funcionários de escolas da rede estadual, que viram a contratação temporária via PSS começar para cobrir a falta de trabalhadores e se transformar em uma forma de substituir os concursos públicos. O PSS, que Greca começou a implantar na Prefeitura de Curitiba na educação infantil e na saúde, representa uma contratação precarizada, com menos direitos para os trabalhadores.

    Seguimos firmes na luta pela realização de concurso público e contra a militarização das escolas. Firmes!

    Assinam essa nota de apoio:

    Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba (SISMMAC),

    Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba (SISMUC)

    Sindicato dos Servidores de Araucária (SIFAR),

    Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Araucária (SISMMAR),

    Coletivo Firmes na Luta – Juntos com a Base, que reúne servidores municipais de São José dos Pinhais.

Rua Nunes Machado, 1644, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS