Sismac
  • 20 | 09 | 2019 - 16:51 Informe-se

    Escola municipal é roubada seis vezes em menos de um mês

    Escola municipal é roubada seis vezes em menos de um mês
    Professores e pais de alunos exigem mais segurança e resposta da Prefeitura

    Em menos de um mês, a Escola Municipal Professor Francisco Hubert teve a fiação roubada seis vezes. Os roubos prejudicam a estrutura e funcionamento da escola, faz com que a unidade fique sem luz durante as aulas e deixa a comunidade escolar abalada com a falta de segurança.

    De acordo com a escola, a Prefeitura tem feito a reposição dos materiais. No entanto, somente remediar a situação não vai resolver o problema. Os funcionários denunciam também que a empresa de segurança que atende os equipamentos públicos, a G5, não faz rondas efetivas e não promoveu as medidas preventivas necessárias para evitar os roubos. Procurada pela escola, a empresa respondeu apenas que não é responsável pela parte externa da unidade. Isso evidencia a precarização do serviço terceirizado, que não consegue atender e proteger a comunidade de forma adequada.

    Outra denúncia é que a Prefeitura tem a intenção de abrir turmas integrais na escola. Os profissionais da EM Professor Francisco Hubert alegam que a unidade, além de estar prejudicada pelos constantes roubos, também sobre com a defasagem no quadro de funcionários. Segundo o relato, faltam auxiliares administrativos, inspetores e RITs para atender os alunos. O descaso a administração municipal é tão grande que, mesmo diante de tantos problemas, a Prefeitura não pensa duas vezes antes de aumentar ainda mais a demanda na escola.

    As mães e os pais dos alunos estão aflitos com os roubos e também frustrados com a falta de uma resposta concreta da Prefeitura. Jordana Arnas, que faz parte do Conselho de Pais e Professores da escola, afirma que toda a comunidade é afetada pela situação “O sentimento é de revolta por causa do completo descaso com a estrutura da escola. A empresa privada não protege a unidade e cabe a nós, moradores, a tomar conta do patrimônio. Um absurdo”, diz.

    Outro pai comenta que a educação das crianças é muito prejudicada “Tudo o que os pais querem é que os filhos tenham um estudo de qualidade, mas como isso é possível em um ambiente muitas vezes sem luz e sem segurança?”. A reivindicação dos pais e professores é que a administração providencie de fato guardas municipais para garantir a segurança da escola não apenas durante a reposição de materiais, mas por um longo período até que a situação dos roubos acabe.

    A direção do SISMMAC entende que a situação da EM Professor Francisco Hubert acontece em muitas outras escolas da rede municipal. A segurança, assim como a contratação de profissionais, faz parte da pauta prioritária de reivindicações do magistério de 2019. No entanto, a administração não se comprometeu a atender as demandas da categoria. Dessa forma, a Prefeitura se torna diretamente responsável pela piora na realidade nas escolas.

  • 20 | 09 | 2019 - 16:51 Informe-se

    Escola municipal é roubada seis vezes em menos de um mês

    Escola municipal é roubada seis vezes em menos de um mês
    Professores e pais de alunos exigem mais segurança e resposta da Prefeitura

    Em menos de um mês, a Escola Municipal Professor Francisco Hubert teve a fiação roubada seis vezes. Os roubos prejudicam a estrutura e funcionamento da escola, faz com que a unidade fique sem luz durante as aulas e deixa a comunidade escolar abalada com a falta de segurança.

    De acordo com a escola, a Prefeitura tem feito a reposição dos materiais. No entanto, somente remediar a situação não vai resolver o problema. Os funcionários denunciam também que a empresa de segurança que atende os equipamentos públicos, a G5, não faz rondas efetivas e não promoveu as medidas preventivas necessárias para evitar os roubos. Procurada pela escola, a empresa respondeu apenas que não é responsável pela parte externa da unidade. Isso evidencia a precarização do serviço terceirizado, que não consegue atender e proteger a comunidade de forma adequada.

    Outra denúncia é que a Prefeitura tem a intenção de abrir turmas integrais na escola. Os profissionais da EM Professor Francisco Hubert alegam que a unidade, além de estar prejudicada pelos constantes roubos, também sobre com a defasagem no quadro de funcionários. Segundo o relato, faltam auxiliares administrativos, inspetores e RITs para atender os alunos. O descaso a administração municipal é tão grande que, mesmo diante de tantos problemas, a Prefeitura não pensa duas vezes antes de aumentar ainda mais a demanda na escola.

    As mães e os pais dos alunos estão aflitos com os roubos e também frustrados com a falta de uma resposta concreta da Prefeitura. Jordana Arnas, que faz parte do Conselho de Pais e Professores da escola, afirma que toda a comunidade é afetada pela situação “O sentimento é de revolta por causa do completo descaso com a estrutura da escola. A empresa privada não protege a unidade e cabe a nós, moradores, a tomar conta do patrimônio. Um absurdo”, diz.

    Outro pai comenta que a educação das crianças é muito prejudicada “Tudo o que os pais querem é que os filhos tenham um estudo de qualidade, mas como isso é possível em um ambiente muitas vezes sem luz e sem segurança?”. A reivindicação dos pais e professores é que a administração providencie de fato guardas municipais para garantir a segurança da escola não apenas durante a reposição de materiais, mas por um longo período até que a situação dos roubos acabe.

    A direção do SISMMAC entende que a situação da EM Professor Francisco Hubert acontece em muitas outras escolas da rede municipal. A segurança, assim como a contratação de profissionais, faz parte da pauta prioritária de reivindicações do magistério de 2019. No entanto, a administração não se comprometeu a atender as demandas da categoria. Dessa forma, a Prefeitura se torna diretamente responsável pela piora na realidade nas escolas.

Rua Nunes Machado, 1644, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS