Sismac

Notícias | Informe-se!

Imprimir
  • Edital de concurso não condiz com realidade das escolas
    06 | 02 | 2019 - 15:50 Informe-se

    Edital de concurso não condiz com realidade das escolas

    Número de vagas presentes no edital não cobre déficit enfrentado nas unidades escolares

    A Prefeitura divulgou na última semana quatro editais de concurso público. À primeira vista, parece uma ótima notícia, não é mesmo? Entretanto, basta ler o edital para perceber que parte dos interesses da administração na realização do concurso nada tem a ver com a melhora das condições de trabalho dos servidores municipais de Curitiba.

    Queremos concurso com vagas que representem a demanda dos locais de trabalho!

    Antes de mais nada, é preciso afirmar que a realização do concurso é muito bem-vinda. A direção do SISMMAC defende contratações via concurso público e é contra as terceirizações, sejam elas via Processo Seletivo Simplificado (PSS), fundações, organizações sociais (OSs), entre outras e, consequentemente, precarização dos serviços públicos essenciais para a população trabalhadora da nossa cidade.

    Porém, a crítica ao governo Greca é a realização de um concurso com pouquíssimas vagas definidas. Você, que é professor ou professora da rede, já percebeu quantos professores de educação física faltam na sua unidade?

    Sabendo disso, faz sentido que o concurso para docência II – educação física, possua apenas uma vaga? E as vagas para as demais áreas? Esse já é um indício de que a administração quer acabar com as turmas do 6º ao 9º ano no município? E, se for esse o caso, onde está o diálogo com os servidores e com a população, aqueles que serão mais impactados com a medida, sobre o tema? Trata-se de mais uma manobra para impor contratação precarizada via PSS?

    São inúmeras as questões que se levantam em uma simples análise dos editais. Mas, para além da quantidade de profissionais que haviam nas unidades escolares no final do ano letivo de 2018, a própria administração já afirmou que o número de aposentadorias de profissionais do magistério aumenta consideravelmente no início dos anos.

    E, diferentemente do que podemos pensar, que seria necessário aguardar o início desse ano letivo para saber efetivamente quantas aposentadorias teríamos e, assim sendo, atrasar a realização do concurso, a Prefeitura já possui esses dados!

    A administração municipal tem os dados de quantos trabalhadores se aposentam em média por mês, e em cada mês especificamente, quantos já cumprem os requisitos para se aposentar e as estatísticas que indicam quanto tempo depois de adquirirem o direito os servidores se aposentam de fato.

    Não poderíamos esperar algo diferente de uma administração que permitiu que o último concurso de docência II vencesse ainda com uma lista de dezenas de professoras e professores aprovados e prontos para serem chamados. Falta vontade política para a gestão Greca melhorar a educação pública da nossa cidade.

    Mais uma vez, é importante ressaltar que a nossa reivindicação é a contratação via concurso público. Porém, eles precisam expressar a demanda sentida pelos servidores nos locais de trabalho e não apenas ser mais uma forma para a Prefeitura arrecadar dinheiro as custas de quem quer ingressar no serviço público.

  • 06 | 02 | 2019 - 15:50 Informe-se
    Edital de concurso não condiz com realidade das escolas

    Edital de concurso não condiz com realidade das escolas

    Número de vagas presentes no edital não cobre déficit enfrentado nas unidades escolares

    A Prefeitura divulgou na última semana quatro editais de concurso público. À primeira vista, parece uma ótima notícia, não é mesmo? Entretanto, basta ler o edital para perceber que parte dos interesses da administração na realização do concurso nada tem a ver com a melhora das condições de trabalho dos servidores municipais de Curitiba.

    Queremos concurso com vagas que representem a demanda dos locais de trabalho!

    Antes de mais nada, é preciso afirmar que a realização do concurso é muito bem-vinda. A direção do SISMMAC defende contratações via concurso público e é contra as terceirizações, sejam elas via Processo Seletivo Simplificado (PSS), fundações, organizações sociais (OSs), entre outras e, consequentemente, precarização dos serviços públicos essenciais para a população trabalhadora da nossa cidade.

    Porém, a crítica ao governo Greca é a realização de um concurso com pouquíssimas vagas definidas. Você, que é professor ou professora da rede, já percebeu quantos professores de educação física faltam na sua unidade?

    Sabendo disso, faz sentido que o concurso para docência II – educação física, possua apenas uma vaga? E as vagas para as demais áreas? Esse já é um indício de que a administração quer acabar com as turmas do 6º ao 9º ano no município? E, se for esse o caso, onde está o diálogo com os servidores e com a população, aqueles que serão mais impactados com a medida, sobre o tema? Trata-se de mais uma manobra para impor contratação precarizada via PSS?

    São inúmeras as questões que se levantam em uma simples análise dos editais. Mas, para além da quantidade de profissionais que haviam nas unidades escolares no final do ano letivo de 2018, a própria administração já afirmou que o número de aposentadorias de profissionais do magistério aumenta consideravelmente no início dos anos.

    E, diferentemente do que podemos pensar, que seria necessário aguardar o início desse ano letivo para saber efetivamente quantas aposentadorias teríamos e, assim sendo, atrasar a realização do concurso, a Prefeitura já possui esses dados!

    A administração municipal tem os dados de quantos trabalhadores se aposentam em média por mês, e em cada mês especificamente, quantos já cumprem os requisitos para se aposentar e as estatísticas que indicam quanto tempo depois de adquirirem o direito os servidores se aposentam de fato.

    Não poderíamos esperar algo diferente de uma administração que permitiu que o último concurso de docência II vencesse ainda com uma lista de dezenas de professoras e professores aprovados e prontos para serem chamados. Falta vontade política para a gestão Greca melhorar a educação pública da nossa cidade.

    Mais uma vez, é importante ressaltar que a nossa reivindicação é a contratação via concurso público. Porém, eles precisam expressar a demanda sentida pelos servidores nos locais de trabalho e não apenas ser mais uma forma para a Prefeitura arrecadar dinheiro as custas de quem quer ingressar no serviço público.

Rua Nunes Machado, 1644, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS