Sismac
  • 15 | 04 | 2019 - 13:53 Mobilização

    Nota de solidariedade à professora e militante Camila Marques

    Nota de solidariedade à professora e militante Camila Marques
    Em ação truculenta no IFB de Águas Lindas, em Goiás, polícia algema professora em sala de aula
    Na manhã desta segunda-feira (15), a professora Camila Marques, que também é diretora do Sinasefe e militante da Intersindical, foi presa em sala de aula, no campus de Águas Lindas, do Instituto Federal de Goiás.

    Ao que parece, a polícia civil da região invadiu a aula da professora e exigiu a retirada de alguns estudantes da sala. Camila reagiu à truculência policial e gravou a cena. A polícia então agiu de forma violenta e agrediu física e verbalmente a professora, antes de a levarem algemada para a delegacia.

    De acordo com alguns testemunhos, o campus do IFB estava sofrendo ameaças de atentados, como o que ocorreu recentemente na cidade de Suzano, e as investigações corriam em sigilo. Também segundo relatos, o diretor do campus permitiu a entrada da polícia e não acompanhou a ação policial até a sala da professora para explicar a situação, o que gerou ainda mais confusão e desconfiança.

    A repressão policial no campus do IFB é inaceitável. Repudiamos qualquer ação de punição ou censura à professora Camila, que cumpria sua função de educar. Camila, que foi liberada no início da tarde, já vinha sofrendo perseguições políticas em seu local de trabalho.

    Ações truculentas e intervenção policial são formas de tentar intimidar educadores e lutadores que buscam em sua prática cotidiana construir a educação pública, gratuita, crítica e de qualidade. Não permitiremos que nossa liberdade de ensinar e aprender seja monitorada!
    SISMMAC, SISMUC e SIFAR
  • 15 | 04 | 2019 - 13:53 Mobilização

    Nota de solidariedade à professora e militante Camila Marques

    Nota de solidariedade à professora e militante Camila Marques
    Em ação truculenta no IFB de Águas Lindas, em Goiás, polícia algema professora em sala de aula
    Na manhã desta segunda-feira (15), a professora Camila Marques, que também é diretora do Sinasefe e militante da Intersindical, foi presa em sala de aula, no campus de Águas Lindas, do Instituto Federal de Goiás.

    Ao que parece, a polícia civil da região invadiu a aula da professora e exigiu a retirada de alguns estudantes da sala. Camila reagiu à truculência policial e gravou a cena. A polícia então agiu de forma violenta e agrediu física e verbalmente a professora, antes de a levarem algemada para a delegacia.

    De acordo com alguns testemunhos, o campus do IFB estava sofrendo ameaças de atentados, como o que ocorreu recentemente na cidade de Suzano, e as investigações corriam em sigilo. Também segundo relatos, o diretor do campus permitiu a entrada da polícia e não acompanhou a ação policial até a sala da professora para explicar a situação, o que gerou ainda mais confusão e desconfiança.

    A repressão policial no campus do IFB é inaceitável. Repudiamos qualquer ação de punição ou censura à professora Camila, que cumpria sua função de educar. Camila, que foi liberada no início da tarde, já vinha sofrendo perseguições políticas em seu local de trabalho.

    Ações truculentas e intervenção policial são formas de tentar intimidar educadores e lutadores que buscam em sua prática cotidiana construir a educação pública, gratuita, crítica e de qualidade. Não permitiremos que nossa liberdade de ensinar e aprender seja monitorada!
    SISMMAC, SISMUC e SIFAR

Rua Nunes Machado, 1644, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS