Sismac
  • 26 | 06 | 2019 - 16:08 Além dos muros da escola

    Servidores dizem não à terceirização das UPAs

    Servidores dizem não à terceirização das UPAs
    Repórter da Base/SISMUC
    Atos simultâneos aconteceram nesta quarta-feira contra a terceirização das Unidades de Pronto Atendimento de Curitiba

    Servidores municipais e a população trabalhadora de Curitiba realizaram, nesta quarta-feira (26), atos simultâneos em defesa da saúde pública e contra a terceirização em frente às UPAs Boa Vista, Cajuru e Sítio Cercado. As manifestações organizadas pelo SISMUC denunciaram o desmonte da saúde pública que a gestão do prefeito Rafael Greca está colocando em prática.

    A direção do SISMMAC participou dos protestos para ajudar a fortalecer a luta contra a terceirização e contra o desmonte dos serviços públicos. Durante os atos, os servidores conversaram com a população sobre os riscos da terceirização e entregaram material informativo. Na UPA Cajuru, os servidores realizaram um abraço simbólico em defesa da unidade.

    Sem debate

    O Conselho Municipal de Saúde (CMS) aprovou a terceirização das unidades em uma reunião tensa, realizada no último dia 19 de junho, onde os servidores, conselheiros e sociedade foram recepcionados com presença reforçada da Guarda Municipal. A partir de uma visão de que saúde é mercadoria, a Prefeitura alega que a terceirização é vantajosa porque gera economia no custo mensal de manutenção da unidade.

    Em 2018, Greca reabriu a UPA CIC terceirizada, com administração de uma Organização Social (O.S.), o que estaria gerando uma redução no custo mensal. O que a administração não diz é que a redução dos custos se dá porque a UPA terceirizada não realiza uma série de procedimentos, como exames de sangue e Raio X, além de não receber ambulância de atendimento de emergência e não disponibilizar médico pediatra, precarizando o atendimento para a população.

    A alta rotatividade de profissionais, a piora no atendimento para população, a falta de transparência na administração da unidade, o risco para saúde da população e entrada da iniciativa privada para administrar serviços públicos são alguns dos motivos para ser contra a terceirização da saúde pública. A autorização dada pelo CMS representa a entrega de um patrimônio público para uma empresa administrar e a precarização do atendimento para população.

    Em cidades como Rio de Janeiro e São Paulo, onde as respectivas Prefeituras adotaram o modelo de O.S., o atendimento ficou pior para população, as condições de trabalho precarizadas para médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, e foram verificadas várias irregularidades e desvio de recursos na administração das unidades.

    Imprensa SISMUC
  • 26 | 06 | 2019 - 16:08 Além dos muros da escola

    Servidores dizem não à terceirização das UPAs

    Servidores dizem não à terceirização das UPAs
    Repórter da Base/SISMUC
    Atos simultâneos aconteceram nesta quarta-feira contra a terceirização das Unidades de Pronto Atendimento de Curitiba

    Servidores municipais e a população trabalhadora de Curitiba realizaram, nesta quarta-feira (26), atos simultâneos em defesa da saúde pública e contra a terceirização em frente às UPAs Boa Vista, Cajuru e Sítio Cercado. As manifestações organizadas pelo SISMUC denunciaram o desmonte da saúde pública que a gestão do prefeito Rafael Greca está colocando em prática.

    A direção do SISMMAC participou dos protestos para ajudar a fortalecer a luta contra a terceirização e contra o desmonte dos serviços públicos. Durante os atos, os servidores conversaram com a população sobre os riscos da terceirização e entregaram material informativo. Na UPA Cajuru, os servidores realizaram um abraço simbólico em defesa da unidade.

    Sem debate

    O Conselho Municipal de Saúde (CMS) aprovou a terceirização das unidades em uma reunião tensa, realizada no último dia 19 de junho, onde os servidores, conselheiros e sociedade foram recepcionados com presença reforçada da Guarda Municipal. A partir de uma visão de que saúde é mercadoria, a Prefeitura alega que a terceirização é vantajosa porque gera economia no custo mensal de manutenção da unidade.

    Em 2018, Greca reabriu a UPA CIC terceirizada, com administração de uma Organização Social (O.S.), o que estaria gerando uma redução no custo mensal. O que a administração não diz é que a redução dos custos se dá porque a UPA terceirizada não realiza uma série de procedimentos, como exames de sangue e Raio X, além de não receber ambulância de atendimento de emergência e não disponibilizar médico pediatra, precarizando o atendimento para a população.

    A alta rotatividade de profissionais, a piora no atendimento para população, a falta de transparência na administração da unidade, o risco para saúde da população e entrada da iniciativa privada para administrar serviços públicos são alguns dos motivos para ser contra a terceirização da saúde pública. A autorização dada pelo CMS representa a entrega de um patrimônio público para uma empresa administrar e a precarização do atendimento para população.

    Em cidades como Rio de Janeiro e São Paulo, onde as respectivas Prefeituras adotaram o modelo de O.S., o atendimento ficou pior para população, as condições de trabalho precarizadas para médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, e foram verificadas várias irregularidades e desvio de recursos na administração das unidades.

    Imprensa SISMUC

Rua Nunes Machado, 1644, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS