Sismac

Notícias | Além dos muros da escola

Imprimir
  • Greve dos caminhoneiros: lições para os trabalhadores
    Foto: Marcelo Camargo - Agência Brasil
    13 | 06 | 2018 - 11:17 Além dos muros da escola

    Greve dos caminhoneiros: lições para os trabalhadores

    As últimas semanas escancararam como patrões e o governo agem para garantir seus interesses, atacando os trabalhadores

    A greve dos caminhoneiros, que parou por 11 dias o transporte de mercadorias e provocou desabastecimento, demonstrou a importância de se colocar em movimento. Com a paralisação do trabalho e o bloqueio nas estradas, os caminhoneiros conseguiram afetar o lucro dos grandes empresários do país e pressionaram o governo.

    Mas também deixou claro que, se os trabalhadores não têm instrumentos de luta independentes dos patrões, sua mobilização pode se virar contra seus verdadeiros interesses, servindo como ferramenta para que só os patrões conquistem seus objetivos.

    Só grandes empresas ganharam com o acordo que encerrou a greve

    No Brasil, mais de 70% do transporte de cargas é controlado por empresas privadas que se utilizaram do movimento dos caminhoneiros. As empresas beneficiadas pelo acordo feito com o governo de Temer (MDB) devem mais de R$ 50 bilhões e entre as dívidas estão calotes no depósito de FGTS e pagamentos à Previdência.

    Enquanto os empresários dos transportes garantiram seus interesses, os caminhoneiros seguirão nas estradas, em jornadas alucinantes, sem direitos e sem condições básicas de trabalho.

    Querem arrancar de você o que sua classe lutou muito para garantir

    Para cobrir o rombo provocado pelo acordo que fez com as transportadoras, o governo vai retirar ainda mais de quem nada tem. Já anunciou o corte nos poucos recursos do SUS, saneamento, dos programas sociais, como os de proteção à saúde indígena, programas de combate à violência contra mulheres entre outros.[T1]

    Junto a isso, a reforma trabalhista segue retirando empregos, o desemprego aumenta e o salário não cobre as contas que temos para pagar.

    Greve dos petroleiros

    Petroleiros também se movimentam e são multados pelo judiciário. O Tribunal Superior do Trabalho impôs multa de R$ 2 milhões contra a greve dos petroleiros numa tentativa de criminalizar o movimento.

    O TST ao se meter dessa forma na greve, mostra sua intenção de proibir manifestações do conjunto da classe trabalhadora contrárias aos ataques de patrões e do governo.

    Matéria publicada na edição de junho do jornal Diário de Classe
Imprimir
  • 13 | 06 | 2018 - 11:17 Além dos muros da escola
    Greve dos caminhoneiros: lições para os trabalhadores
    Foto: Marcelo Camargo - Agência Brasil

    Greve dos caminhoneiros: lições para os trabalhadores

    As últimas semanas escancararam como patrões e o governo agem para garantir seus interesses, atacando os trabalhadores

    A greve dos caminhoneiros, que parou por 11 dias o transporte de mercadorias e provocou desabastecimento, demonstrou a importância de se colocar em movimento. Com a paralisação do trabalho e o bloqueio nas estradas, os caminhoneiros conseguiram afetar o lucro dos grandes empresários do país e pressionaram o governo.

    Mas também deixou claro que, se os trabalhadores não têm instrumentos de luta independentes dos patrões, sua mobilização pode se virar contra seus verdadeiros interesses, servindo como ferramenta para que só os patrões conquistem seus objetivos.

    Só grandes empresas ganharam com o acordo que encerrou a greve

    No Brasil, mais de 70% do transporte de cargas é controlado por empresas privadas que se utilizaram do movimento dos caminhoneiros. As empresas beneficiadas pelo acordo feito com o governo de Temer (MDB) devem mais de R$ 50 bilhões e entre as dívidas estão calotes no depósito de FGTS e pagamentos à Previdência.

    Enquanto os empresários dos transportes garantiram seus interesses, os caminhoneiros seguirão nas estradas, em jornadas alucinantes, sem direitos e sem condições básicas de trabalho.

    Querem arrancar de você o que sua classe lutou muito para garantir

    Para cobrir o rombo provocado pelo acordo que fez com as transportadoras, o governo vai retirar ainda mais de quem nada tem. Já anunciou o corte nos poucos recursos do SUS, saneamento, dos programas sociais, como os de proteção à saúde indígena, programas de combate à violência contra mulheres entre outros.[T1]

    Junto a isso, a reforma trabalhista segue retirando empregos, o desemprego aumenta e o salário não cobre as contas que temos para pagar.

    Greve dos petroleiros

    Petroleiros também se movimentam e são multados pelo judiciário. O Tribunal Superior do Trabalho impôs multa de R$ 2 milhões contra a greve dos petroleiros numa tentativa de criminalizar o movimento.

    O TST ao se meter dessa forma na greve, mostra sua intenção de proibir manifestações do conjunto da classe trabalhadora contrárias aos ataques de patrões e do governo.

    Matéria publicada na edição de junho do jornal Diário de Classe

Rua Nunes Machado, 1577, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS