Sismac

Notícias | Além dos muros da escola

Imprimir
  • Palestra marca o lançamento do Movimento Educação Democrática
    26 | 09 | 2017 - 15:08 Além dos muros da escola

    Palestra marca o lançamento do Movimento Educação Democrática

    A palestra abordou o tema Escola Sem Partido e lançou o Movimento Educação Democrática no Paraná

    Na noite desta segunda-feira (25), aconteceu a palestra de lançamento do Movimento Educação Democrática no Paraná. O evento teve como objetivo apresentar os princípios do movimento e meios de combater o avanço do conservadorismo nas políticas públicas educacionais por todo país.

    Após a apresentação da mesa de abertura, o professor Fernando Penna, da Universidade Federal Fluminense (UFF), analisou o projeto Escola Sem Partido, uma medida que teve diversas tentativas de implantação pelo Brasil. De acordo com Penna, o projeto tem a intenção de retirar o caráter educacional da escola, desqualificar o saber profissional do professor, reduzir a educação a um produto de consumo e acabar com o pluralismo de ideias dentro da sala de aula.

    Os demais debatedores convidados foram Ana Clara Nunes, e os professores da rede estadual Douglas Rezende e Gabriela Viola. Ana Clara, que é estudante secundarista, fez uma fala sobre sua experiência na organização do espaço escolar para discutir assuntos importantes como racismo, machismo e homofobia. A estudante também relatou como o discurso do projeto Escola Sem Partido dá força aos fundamentalistas e já atinge o cotidiano de alunos e professores.

    Confira os princípios do Movimento Educação Democrática

    1. Defesa da educação pública, laica, gratuita, de qualidade e organizada democraticamente.

    2. A educação deve abrir espaço para que os estudantes se percebam como sujeitos de direitos democráticos que só podem ser exercidos coletivamente.

    3. Participação em todos os debates públicos por meio de uma abordagem democrática e argumentativa dos conflitos, rechaçando o discurso de intolerância aos direitos humanos.

    4. Defesa de uma educação integral, que articule as dimensões de qualificação, socialização e subjetivação.

    5. Educação democrática como bandeira articuladora de lutas autônomas por uma democracia radical e plural.

    A professora de sociologia Gabriela Viola relatou sua experiência de perseguição. Gabriela organizou um trabalho de sociologia com os alunos, juntando o gênero musical funk com o conteúdo previsto da grade curricular. O vídeo dos alunos cantando uma paródia de “Baile de Favela” com as ideias de Karl Marx "viralizou" na internet, fazendo até com que a professora fosse afastada de sua função na escola. Já o professor Douglas Rezende também debateu sobre o projeto Escola Sem Partido em Curitiba e a criminalização dos profissionais da educação.

    Um dos principais pontos do debate foi a necessidade de levar o conteúdo da discussão sobre uma educação democrática para a população, principalmente para a comunidade escolar. Por isso, conscientizar as pessoas sobre a importância de uma educação emancipadora foi reforçado como um dos objetivos do movimento.

    Organização

    O Movimento Educação Democrática é organizado pela APUFPR-SSind, Departamento de História da UFPR, Observatório do Ensino Médio da UFPR, Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre o Ensino de Filosofia (NESEF), Associação Nacional de História – Seção Paraná (ANPUH-PR), NS Curitiba Norte – integrante da base da APP-Sindicato – e pelo SISMMAC.

Imprimir
  • 26 | 09 | 2017 - 15:08 Além dos muros da escola
    Palestra marca o lançamento do Movimento Educação Democrática

    Palestra marca o lançamento do Movimento Educação Democrática

    A palestra abordou o tema Escola Sem Partido e lançou o Movimento Educação Democrática no Paraná

    Na noite desta segunda-feira (25), aconteceu a palestra de lançamento do Movimento Educação Democrática no Paraná. O evento teve como objetivo apresentar os princípios do movimento e meios de combater o avanço do conservadorismo nas políticas públicas educacionais por todo país.

    Após a apresentação da mesa de abertura, o professor Fernando Penna, da Universidade Federal Fluminense (UFF), analisou o projeto Escola Sem Partido, uma medida que teve diversas tentativas de implantação pelo Brasil. De acordo com Penna, o projeto tem a intenção de retirar o caráter educacional da escola, desqualificar o saber profissional do professor, reduzir a educação a um produto de consumo e acabar com o pluralismo de ideias dentro da sala de aula.

    Os demais debatedores convidados foram Ana Clara Nunes, e os professores da rede estadual Douglas Rezende e Gabriela Viola. Ana Clara, que é estudante secundarista, fez uma fala sobre sua experiência na organização do espaço escolar para discutir assuntos importantes como racismo, machismo e homofobia. A estudante também relatou como o discurso do projeto Escola Sem Partido dá força aos fundamentalistas e já atinge o cotidiano de alunos e professores.

    Confira os princípios do Movimento Educação Democrática

    1. Defesa da educação pública, laica, gratuita, de qualidade e organizada democraticamente.

    2. A educação deve abrir espaço para que os estudantes se percebam como sujeitos de direitos democráticos que só podem ser exercidos coletivamente.

    3. Participação em todos os debates públicos por meio de uma abordagem democrática e argumentativa dos conflitos, rechaçando o discurso de intolerância aos direitos humanos.

    4. Defesa de uma educação integral, que articule as dimensões de qualificação, socialização e subjetivação.

    5. Educação democrática como bandeira articuladora de lutas autônomas por uma democracia radical e plural.

    A professora de sociologia Gabriela Viola relatou sua experiência de perseguição. Gabriela organizou um trabalho de sociologia com os alunos, juntando o gênero musical funk com o conteúdo previsto da grade curricular. O vídeo dos alunos cantando uma paródia de “Baile de Favela” com as ideias de Karl Marx "viralizou" na internet, fazendo até com que a professora fosse afastada de sua função na escola. Já o professor Douglas Rezende também debateu sobre o projeto Escola Sem Partido em Curitiba e a criminalização dos profissionais da educação.

    Um dos principais pontos do debate foi a necessidade de levar o conteúdo da discussão sobre uma educação democrática para a população, principalmente para a comunidade escolar. Por isso, conscientizar as pessoas sobre a importância de uma educação emancipadora foi reforçado como um dos objetivos do movimento.

    Organização

    O Movimento Educação Democrática é organizado pela APUFPR-SSind, Departamento de História da UFPR, Observatório do Ensino Médio da UFPR, Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre o Ensino de Filosofia (NESEF), Associação Nacional de História – Seção Paraná (ANPUH-PR), NS Curitiba Norte – integrante da base da APP-Sindicato – e pelo SISMMAC.

Rua Nunes Machado, 1577, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS