Sismac

Notícias | Além dos muros da escola

Imprimir
  • Nosso voto é na luta dos trabalhadores
    16 | 09 | 2016 - 10:47 Além dos muros da escola

    Nosso voto é na luta dos trabalhadores

    Posição da direção do SISMMAC frente ao processo eleitoral
    Dentro de um mês, acontece o primeiro turno das eleições municipais, momento em que a população de Curitiba escolherá o administrador do governo da nossa cidade e seus legisladores. Muitos professores, inclusive, devem ser chamados para fazer campanha para este ou aquele candidato, o que, logicamente, ninguém é obrigado a fazer, e podem inclusive denunciar para a justiça eleitoral.

    Nós da direção do SISMMAC não temos nenhuma ilusão quanto a este momento, e deixamos claro qual é a nossa posição: pautar nossas reivindicações e seguir avançando na organização e luta do magistério municipal e do conjunto da classe trabalhadora. A experiência feita pela nossa classe nas últimas décadas, de apostar na disputa eleitoral como forma de resolver as desigualdades sociais e construir uma sociedade justa de fato, se voltou contra nós. Inclusive e principalmente, quando colocamos o movimento sindical e os movimentos sociais em função dessas candidaturas.

    Nossos princípios

    Desde que nos lançamos pela primeira vez para a direção do Sindicato, em 2011, nosso grupo deixou claro os princípios que norteariam nosso trabalho e que foram consolidados nos Congressos do SISMMAC de 2012 e 2015: independência aos patrões e governos, autonomia aos partidos políticos, formação política e organização pela base nos locais de trabalho. Além disso, temos provado na prática que a luta do magistério vai além dos muros da escola, e envolve as mais de 100 mil famílias trabalhadoras atendidas por nós na cidade.

    Um sindicato realmente comprometido com os trabalhadores não pode de nenhuma forma estar ligado ao patrão, ou a futuros patrões. Em nossa sociedade, trabalhadores e patrões têm interesses contrários, pelo lugar que ocupam no processo de produção da vida, mesmo que na aparência as vezes pareçam coincidir. No caso dos servidores públicos, o patrão é o governo; em nosso caso, o prefeito. Nossa luta precisa ser organizada independentemente de quem esteja no governo. Por isso, o SISMMAC não apoiará nenhum candidato.

    Mesmo que existam professores que participem do processo eleitoral, como candidatos ou apoiando alguma candidatura, as ações e posições do Sindicato não podem estar subordinadas a esses professores ou a seus partidos. As decisões sobre o que o Sindicato deve fazer a cada momento devem ser definidas pelos professores nas instâncias da entidade, como assembleias, conselhos de representantes, entre outros. É isso que significa ter autonomia em relação aos partidos políticos e, por isso, o Sindicato não deve fazer campanha para nenhum candidato, mesmo que este seja sindicalizado.

    Enquanto representantes de nossa categoria, no entanto, é importante que a direção do Sindicato deixe claro o que o magistério municipal quer do futuro. Assim, no início de setembro, o SISMMAC entregou a nossa Pauta de Reivindicações para todos os candidatos à Prefeitura. Desta forma, nenhum deles poderá dizer que não conhece ou que não sabe quais são os principais problemas da educação da cidade e quais os anseios dos professores para que nossa situação melhore.

    Reafirmamos a independência do SISMMAC em relação à Prefeitura e deixamos claro de que lado o Sindicato está: ao lado dos trabalhadores e de suas lutas! Temos certeza que independentemente de quem seja nosso próximo patrão, muitos problemas permanecerão, e muitas lutas serão necessárias! A tarefa do Sindicato, portanto, continuará a mesma: organizar a luta dos professores em busca de melhores condições de trabalho e de vida para nós e para o conjunto da classe trabalhadora.

    Matéria publicada na edição de setembro do jornal Diário de Classe
Imprimir
  • 16 | 09 | 2016 - 10:47 Além dos muros da escola
    Nosso voto é na luta dos trabalhadores

    Nosso voto é na luta dos trabalhadores

    Posição da direção do SISMMAC frente ao processo eleitoral
    Dentro de um mês, acontece o primeiro turno das eleições municipais, momento em que a população de Curitiba escolherá o administrador do governo da nossa cidade e seus legisladores. Muitos professores, inclusive, devem ser chamados para fazer campanha para este ou aquele candidato, o que, logicamente, ninguém é obrigado a fazer, e podem inclusive denunciar para a justiça eleitoral.

    Nós da direção do SISMMAC não temos nenhuma ilusão quanto a este momento, e deixamos claro qual é a nossa posição: pautar nossas reivindicações e seguir avançando na organização e luta do magistério municipal e do conjunto da classe trabalhadora. A experiência feita pela nossa classe nas últimas décadas, de apostar na disputa eleitoral como forma de resolver as desigualdades sociais e construir uma sociedade justa de fato, se voltou contra nós. Inclusive e principalmente, quando colocamos o movimento sindical e os movimentos sociais em função dessas candidaturas.

    Nossos princípios

    Desde que nos lançamos pela primeira vez para a direção do Sindicato, em 2011, nosso grupo deixou claro os princípios que norteariam nosso trabalho e que foram consolidados nos Congressos do SISMMAC de 2012 e 2015: independência aos patrões e governos, autonomia aos partidos políticos, formação política e organização pela base nos locais de trabalho. Além disso, temos provado na prática que a luta do magistério vai além dos muros da escola, e envolve as mais de 100 mil famílias trabalhadoras atendidas por nós na cidade.

    Um sindicato realmente comprometido com os trabalhadores não pode de nenhuma forma estar ligado ao patrão, ou a futuros patrões. Em nossa sociedade, trabalhadores e patrões têm interesses contrários, pelo lugar que ocupam no processo de produção da vida, mesmo que na aparência as vezes pareçam coincidir. No caso dos servidores públicos, o patrão é o governo; em nosso caso, o prefeito. Nossa luta precisa ser organizada independentemente de quem esteja no governo. Por isso, o SISMMAC não apoiará nenhum candidato.

    Mesmo que existam professores que participem do processo eleitoral, como candidatos ou apoiando alguma candidatura, as ações e posições do Sindicato não podem estar subordinadas a esses professores ou a seus partidos. As decisões sobre o que o Sindicato deve fazer a cada momento devem ser definidas pelos professores nas instâncias da entidade, como assembleias, conselhos de representantes, entre outros. É isso que significa ter autonomia em relação aos partidos políticos e, por isso, o Sindicato não deve fazer campanha para nenhum candidato, mesmo que este seja sindicalizado.

    Enquanto representantes de nossa categoria, no entanto, é importante que a direção do Sindicato deixe claro o que o magistério municipal quer do futuro. Assim, no início de setembro, o SISMMAC entregou a nossa Pauta de Reivindicações para todos os candidatos à Prefeitura. Desta forma, nenhum deles poderá dizer que não conhece ou que não sabe quais são os principais problemas da educação da cidade e quais os anseios dos professores para que nossa situação melhore.

    Reafirmamos a independência do SISMMAC em relação à Prefeitura e deixamos claro de que lado o Sindicato está: ao lado dos trabalhadores e de suas lutas! Temos certeza que independentemente de quem seja nosso próximo patrão, muitos problemas permanecerão, e muitas lutas serão necessárias! A tarefa do Sindicato, portanto, continuará a mesma: organizar a luta dos professores em busca de melhores condições de trabalho e de vida para nós e para o conjunto da classe trabalhadora.

    Matéria publicada na edição de setembro do jornal Diário de Classe

Rua Nunes Machado, 1577, Rebouças – Curitiba / PR, CEP. 80.220-070 - Fone/Fax.: (41) 3225-6729

DOHMS